Formação em Psicanálise Clínica

Formação em Psicanálise Clínica

This content is protected, please login and enroll course to view this content!

467 comentários sobre “Na Prática

        1. A personalidade dominada pelo id causa dificuldade de lidar com a realidade,com uma tendência ao egoísmo e dificuldade de interpretação e a dificuldade de se socializar o que pode gerar conflitos além de causar sofrimentos psicológico para o indivíduo próprio e para os outros.

          Responder
          1. Concordo. Esse conflito SUPEREGO e EGO quando melhor conhecido e estudado pelas pessoas podem evitar danos maiores quando o ID responde pela pessoa apenas pela emoção.

          2. Id é um componente inconsciente de energias mentais
            Impulsos cegos que não consegue nperceber PS limites de suas ações. Busca uma satisfação irracional.

          3. É importante observar que, na teoria psicanalítica de Freud, o Ego atua como um mediador entre o Id e o Superego, buscando equilibrar os desejos impulsivos do Id com as normas sociais e morais do Superego. Uma personalidade saudável geralmente envolve um equilíbrio entre essas três instâncias, permitindo a adaptação eficaz ao ambiente social.

          4. Sem duvidas, quando dominados pelo id, pelo impulso de realizar a sua vontade o individuo, fica cego e quando cai em si, sofre gravemente, a ponto de se isolar, e carregar uma culpa indominavel.

      1. Sim, o ser humano enfrenta o desafio diário de buscar o autoconhecimento, para compreender cada vez melhor o porquê de suas lutas e angústias internas.

        Responder
      2. É por isso que devemos ajudar as pessoas á pensar aquilo que elas não sabem pensar.Os psicanalistas são facilitadores .

        Responder
      3. Sim. É muito importante buscar autoconhecimento, ver seus limites, buscar meios de compreender o seu Eu, e também do eu com o outro, pois á partir desta compreensão, o ser humano evita muitos constrangimentos, se for necessário buscar ajuda de especialistas para que haja uma melhora ou até uma possível mudança na personalidade do individuo em sua subjetividade.

        Responder
        1. Realmente concordo, pois o id reprime o paciente criando criando no seu psique algo irracional, completamente sem revalidar, sem sentido colocando ele mesmo em conflitos e problemas psicológicos seríssimo no futuro

          Responder
    1. Ao trair sua esposa o paciente foi atrás da pulsão de morte, pois ao correr o risco e também depois veio a depressão é resultado dessa pulsão que o move também.

      Responder
    2. A questão a ser respondida é: O que havia neste casamento que permitiu que ele se apaixonasse por outra pessoa? Questões mal resolvidas podem disparar um gatilho de depressão… Certamente o conflito entre o ID, EGO e SUPEREGO aconteceria com ou sem a traição, pois este homem possui questões neste casamento que precisa resolver.

      Responder
      1. O casamento em si não tem a ver com as ações do Cláudio, ele traiu pois cedeu aos seus desejos e não se importou com as consequências. Assim como o casamento pode estar uma maravilha e ele se atrair por outra mulher, afinal foi um desejo que surgiu. Agora cabe a ele decidir, acredito que a traição tem mais a ver com ele do que o seu estado civil.

        Responder
        1. Concordo.
          As lutas enfrentadas por cada um de nós independe se estamos ou não felizes num determinado contexto.

          Responder
        2. O ambiente pode contribuir para uma atitude, porém a decisão e a escolha para agir caberá sempre ao indivíduo. No meu entendimento, é preciso entender o contexto de vida do individuo, inclusive gerações anteriores para que tenhamos uma compreensão mais ampla e assim orientar o cliente quanto suas escolhas e decisões e as consequências destas, que aqui no caso foi a traição/depressão…Estou na caminhada do aprendizado e e posso olhar para esta questão de forma diferente, mas no momento é isso. Gratidão! Está sendo muito rica esta troca.

          Responder
        3. Também vejo assim. O desejo sexual foi mais forte. No texto não tem referência sobre o casamento ser satisfatório ou não. Tudo indica que isso ocorreu por questões internas de desejo e culpa.

          Responder
          1. Perfeita sua colocação sobre a ausência da afirmação quanto à satisfação ou não da realação conjugada. mesmo assim, mesmo que não haja satisfação na sua realção com a esposa, existem formas mais práticas de se deixar dominar pelos apelos do ID. Uma boa atenção aos anjos da guarda (Ego e Superego) resolveria melhor essa situação.

      2. Nesse caso o id falou mais alto, como uma criança birrenta, mas a questão é que tá quais gatilhos levou ele a de fato cometer a traição? Qual tipo de relação seu casamento tava vivendo? Será que foi apenas seu ego falando mais alto e aí cedeu aos impulsos? O texto diz fala que ele viu até como pecado um ponto ser levado em consideração como tava sua vivência com religiosidade ?

        Responder
      3. Acredito que nada é motivo para uma traição, a falta de caráter, foi movida por um start nesse caso e o arrependimento veio em seguida.

        Responder
        1. Concordo,nada justifica,apenas a vontade e o querer de fazer tal ação,mesmo que o arrependimento venha depois a confiança nunca será a mesma.

          Responder
      4. Concordo plenamente, além do conflito do ID, EGO E SUPEREGO, existem outros problemas que pode ser uma série de fatores, onde o indivíduo precisa de um acompanhamento.

        Responder
        1. A VAIDADE FALOU MAIS ALTO, DEPOIS DO ATO CONSUMADO DESCOBRE QUE TUDO É VAIDADE COMO JÁ DISSE O SALMISTA SALOMÃO

          Responder
      5. Creio que as questões são mais interiores que exteriores. Se o caso fosse o casamento, (externo) suas regras e valores não se alteraram. Porém, por conta de rações do seu sbconciente (interno) o id prevaleceu.
        Obs: É o que me parece, sem diminuir sua resposta.

        Responder
        1. Claudio traiu a esposa e seus princípios. Logo, entrou em depressão. Se ele fosse emocionalmente maduro, se conheceria mais e a traição não teria acontecido, não teria sido dominado pelo Id.

          Responder
          1. Realmente falto mas força emocional e não se deixar levar pelo impulso e principalmente pela tentação pois a moça deve ter sua parte de culpa deve ter seduzido

      6. concordo com você Andrea, acredito que deveria está acontecendo algum fato que estava deixando cláudio vulnerável a um envolvimento extraconjugal, talvez necessidade de afirmação, desejo pelo desconhecido, a relação estava ficando “sem graça”, ele gosta de emoção. O ID, o EGO e o SUPEREGO entraram em conflito, Cláudio ficou com a consciência pesada, com vergonha da esposa, sobreveio então a depressão por não conseguir encontrar uma forma de resolver a situação sem causar danos aos envolvidos.

        Responder
        1. Infelizmente o Id se sobrepôs e Claudio realizou seus desejos imediatos mesmo sabendo o que isso causaria em sua vida e na vida de sua família.

          Responder
      7. Acredito que algo não resolvido no passado influenciou demais na decisão sim.
        Um casamento “saudável” poderia ajudá-lo a controlar seu desejo, mas não é certeza de que resolveria o problema, pois a decisão continua sendo dele.
        Um casamento conflituoso poderia potencializar a situação, fortalecendo o desejo. Mas isso seria uma influência e não uma determinação. Pois a decisão final assim como a responsabilidade sempre será da pessoa.

        Responder
        1. Concordo em parte Michael, porém nem sempre um casamento saudável garante fidelidade, tendo em vista a sociedade machista que vivemos. Mas com certeza, após a traição e o domínio do ID levando o indivíduo ao imediatismo e realização dos seus desejos sexuais/primitivos o casamento deixa de ser saudável.

          Responder
    3. Somos seres humanos em constante aprendizado (evoluindo). Ou, tentando evoluir. O que hoje consideramos como errado; Foi certo e correto para os avos, bisavos e pais. Algumas atitudes do passado hoje sao erradas e ultrapassadas. Um exemplo Classico, o machismo. Por que so a mulher que arruma a casa, lava roupa e cuida dos filhos ? Esse eh um exemplo de como a sociedade esta em constante evolucao. (teclado em ingles, perdoar ).

      Responder
    4. Verdadeiramente nesse caso o id se sobrepôs que são suas mas tendências.
      Passado o momento da ilusão veio o arrependimento o sentimento de culpa certamente por ter uma companheira e uma estabilidade na relação. Para finalizar o contexto nada mais é do que o conflito id, ego e superego.

      Responder
      1. Ao meu entender este conflito se deu por determinar o ID na fantasia de pecado relacional em busca de algo diferente e atrativos que não puderam ser satisfeitos dentro de um relacionamento casual entre duas pessoas.

        Responder
      2. Concordo e acrescento. Ao ceder as pulsões do ID, do prazer, ele foi dominado pelo Superego que aplicou em seu ego o sentimento de culpa tão voraz a ponto de torná-lo depressivo. O Superego escancarou as consequências e mostrou-lhe o quanto havia ferido a moral e as convenções sociais.

        Responder
    5. Cláudio, não pensou nas consequências que uma infidelidade causaria em sua vida e em toda a estrutura do seu casamento.
      Nós como seres humanos temos falhos mais uma traição muitas das vezes é( irreversível) , abala toda uma vida um império por apenas momentos de satisfações.

      Responder
    6. a um conflito do que para ele é o certo e o errado, além do desejo.
      pois ele entende que aquilo não seria o certo a se fazer, com base na ideia de ser mal visto pelas outras pessoas a sua ação.
      e o certo por se tratar do seu desejo carnal e não emocional.
      primeiramente sua atração pela outra pessoa do qual não seja sua companheira, é refere a expectativas não supridas no seu relacionamento, fazendo com que a atração por outra pessoa tenha mais intensidade.
      gerando conflito do certo e errado

      Responder
      1. concordo acredito que muitas questoes entre certo errado e o arrependimento após o ato cometido pois na força do id ele se deixou dominar e com o passar do tempo o consciente voltou ao dominio das emoções trazendo a racionalização

        Responder
    7. O id torna -se em algumas crianças sendo fortalecido
      Pelos próprios pais trazendo danos por não saberem
      Trazer castração e negação que é de grande importância para a construção de uma personalidade equilibrada.

      Responder
    8. Os conflitos surgem de acordo com os problemas apresentados, que acabar afetando de certa forma o aparelho psíquico do indivíduo, que de um sintomas não tratado leva outro sintomas.

      Responder
    9. Cláudio não se preocupou com o seu casamento, mais sim com os desejos os impulsos de realizar algo á qualquer custo sem ouvir o seu Ego, e as consequências ela chegam e ele não soube com sair do problema causando dor e sofrimento para família.

      Responder
    10. O caso de Cláudio realmente o que o moveu foi o impulso mas, existe uma série de fatores conflitantes que não pode ser descartados.

      Responder
    11. Se Cláudio conseguisse frear o Id atentando aos alertas do ego ele teria sido fiel aos seus princípios e consequentemente não sofreria com a depressão e o isolamento.

      Responder
    12. Vejo que o processo de amadurecimento é necessário, porem os efeitos colaterais o preço, tem tempo certo para ser remodelado.
      Quanto antes melhor, a psicanálise e autoconhecimento e um dos caminhos…autocura é amor e respeito a si próprio e aos outros.

      Responder
    13. A mente de Claudio foi viver o momento, o conflitos internos foi mas forte do que a fazer o que e certo ,sem trair seu casamento.

      Responder
    14. Ao se deixar a levar pelas pulsões do ID, que almeja somente o prazer monentâneo sem se importa com as consequências no mundo real, Claúdio resolve trair a esposa. Percebemos que o EGO não conseguiu freiar os impulsos do ID, através dos mecanismos de defesa. Entrando em cena o SUPEREGO, com a culpa, com o remorso, enfim com as consequências de sua atitude, ação no mundo real.

      Responder
    15. Ao Id foi atribuída a parte primitiva da mente, ou seja, o instinto irracional que se manifesta sem a preocupação com princípios morais, éticos, etc. O Id é mais evidenciado na infância do que na fase adulta, pois na infância a mente é dominada pelo desejo de ter seus pedidos atendidos imediatamente.
      Creio que Cláudio vivenciou um domínio do id, pela sugestão dda aventura, do novo. Pouca experiência o levou a uma emoção que neutralizou a repressão do ego ao desejo primitivo do id. Isso acontece muito. Nem sempre há problemas conjugais.

      Responder
    16. É de suma importância o desenvolver do auto conhecimento ,ter uma bom relação consigo ,para saber seus pontos fracos o que é importante de fato ,ter maturidade emocional ,ter diálogos com cônjuge ,sempre na valorização de se auto estimar ,autovalorizar ,ter paz em seu interior.

      Responder
    17. Alimentado pelos impulsos primitivos do desejo, Cláudio cedeu ao Id. No caso dele, o sentimento de culpa o acompanhou provocando isolamento, o que de forma traumática pode desenvolver doenças psicossomáticas desencadeadas a partir do conflito.

      Responder
      1. Exatamente Carlos, Cláudio se deixou levar pelo ID sem levar em consideração o Ego e o Superego.
        Uma vez que, segundo Freud o excesso desses três fatores do aparelho psíquico podem resultar no aparecimento dos desconfortos psicológicos.

        Responder
    18. é comum as ações feitas no impluso trazerem remorço e peso na consciência o que pode adoecer psiquicamente uma pessoa.

      Responder
    19. Concordo, quando diz que algumas questões precisam ser resolvidas no tempo certo, porém existe uma questão que precisa ser ponderada, e quando não se tem conhecimento adequado para para solucionar o conflito existente o que fazer?

      Responder
    20. Cláudio estava se prevenido para não quebrar os princípios dele , porém ele estava com muita intimidade com ela. O id é o lugar do desejo ,satisfação e ele não consegui mais conter quando chegava perto dela. Quando o ato aconteceu ele percebeu o que ele fez. Disparou vários gatilhos mentais ao contrário do caráter dele, e principalmente o voto religioso que ele fez com Deus e suas esposa. Ele não conseguiu dominar os mansamente e os conflitos internos que gerou depressão. Obs: Eu acho para que chegasse esse ponto da traição ele não estava bem com sua mulher. Ouvir uma frase assim : atrás de uma grande mulher a um homem.

      Responder
    21. Não nos cabe julgar se Claudio errou ou acertou, penso que o domínio do ID desconsiderando o EGO/SUPEREGO traz muito sofrimento psíquico para lidar com a culpa.

      Responder
    22. Trocou o certo pelo duvidoso, pois não teve seu próprio domínio da manifestação do desejo. Antes de cometer a traição, já havia traído em pensamentos. Pois não teve controle sobre o que penso, como penso e como deverei agir. Se entregou por impulso de seus desejos.

      Responder
    23. Tentar entender como era o convívio desse casal que desencadeou algo do inconsciente que ativou e levou o id a prevalecer.

      Responder
    24. Esse fenomeno ID leva o individuo a viver o momento suas buscas prazeres conquista sem se preocupar com as demais pessoas ao seu redor ,com o passar dos dias ou tempos a realidade volta ao seu evento natural e a normalidade da vida isso pode levar a reações extremas como depressão 0u ate coisas piores como suicidios e etc ……

      Responder
    25. Nós dias atuais ,o problemas sociais tem ser tornado de grande desafios.pois as pessoas estão com dificuldade de resolver os seus conflitos internos,pois muitos não admitem estar com questões mal resolvidas que precisam de ajuda psicológica ,acabam sendo um problema para a sociedade e para a família.

      Responder
    26. Concordo, às vezes é mais um desejo de fixação que não foi trabalhado de forma correta, daí a importância do autoconhecimento , para conhecermos nossos limites e nossas fraquezas.

      Responder
    27. Nun caso desse, seria importante saber como o super-ego foi estruturado, levar em consideração principalmente as castrações até o final do complexo de Édipo na fase fálica. Enfim, o ego deveria estar fortalecido o suficiente para a mediação entre os desejos do id e os valores do super-ego, mas o id acabou por prevalecer, causando a culpa pelo super-ego, logo, causando a depressão.

      Responder
    28. No caso específico do Cláudio, sessões de análise poderá ajuda-lo, através do falar ao psicanalista, sua história e como conviveu com ela, aparentemente sem falar para ninguém, causando-lhe este isolamento(certamente por vergonha) e a depressão (certamente pela tristeza pós ato, de perceber o que fizera a toda sua família.
      Sem usar do certo e errado, falar será bom e perceber que é possível, sublimar toda esta situação.

      Responder
    29. Acredito que a decisão de ter um relacionamento extraconjugal independe do estado de seu casamento. Pois mesmo uma pessoa dominada pelo Id teria decidido em resolver as questões do seu casamento, mas ele se apaixonou por outra mulher. A psicanálise poderia ajudá-lo a trilhar o caminho do autoconhecimento. Pode ser que a depressão seja resultado de que, seus valores e prazer estejam na família, que provavelmente perdeu com a traição, ou quem sabe tenha se sentido totalmente inadequado/arrependido naquela situação.

      Responder
    30. É importante observar que na teoria Psicanalítica de Freud, o Ego atua como um medidor entre o Id e o Super Ego e uma personalidade saudável envolve o equilíbrio entre essas três instâncias. Por isso é muito importante termos o auto conhecimento e seus limites, procurar meios de compreender o seu EU, pois traição é decisão, é o Ego falando mais alto.

      Responder
    31. O sentimento de culpa pós acontecimento mostrou que tinha “valores” q zelava. Porém, caiu na armadilha do impulso e assim, cedeu.

      Responder
    32. O ID pode se tornar danoso ao indivíduo e à sociedade e suas manifestações,
      ao deixar o ID dominar nossas ações e pensamentos, aqueles desejos e vontades
      insanos, imorais e primitivos vem à tona. Acredito que o ID, quando em manifestação
      desenfreada, sem o controle e regulação do Ego e do Superego seja responsável pela desordem e caos social.

      Responder
    1. Se ele tivesse raciocinado mais, deixasse a ação do superego atuar ele não teria cometido a traição. No entanto agora já esta feito, ter autoculpa nesse momento é um gasto energético desnecessário. Ele deveria focar no seu autoconhecimento, entender seus mecanismo de defesas, entender por que agiu assim, para numa próxima vez agir melhor.

      Responder
  1. O ID é como uma criança mimada. Ele quer a todo custo. Devemos, de forma harmoniosa equilibrar os 3 elementos (ID, EGO, SUPEREGO). Pois o conflito excessivo entre esses elementos, podem levar a doenças psicossomáticas e neuroses.

    Responder
  2. o ID é a fonte de todos os desejos primitivos,selvagens, avassalador. Harmonizar, conciliar esses desejos de forma
    razoável, penso que é a proposta de FREUD e da Psicanálise.

    Responder
  3. ID E RESPONSÁVEL PELOS INSTINTOS,IMPULSOS ORGÂNICOS E DESEJOS INCONSCIENTES .O ID NÃO TEM CONTATO COM A REALIDADE.PODE SE SATISFAZER COM A FANTASIA,MESMO NÃO SE REALIZE UMA AÇÃO CONCRETA REFERENTE AQUELE DESEJO.

    Responder
  4. O ID predominou nesse caso é agora com o erro cometido o SUPER EGO está o acusando internamente e com isso começa a somatizar e possivelmente ele irar desenvolver alguma doença psicossomática.

    Responder
  5. Ego e o superego de Claudio até então não consigiu frear o impulso que teve , então o ID pela sua vez foi mais forte até que então Claudio percebeu que a sua situação psíquico tinha agravado a situação.

    Responder
  6. A falta de conhecimento de como devemos controlar o nosso ID, talvez nos coloque em situações de indecisões, angustias e infelicidades, tendo em vista que, algumas vezes isso podem parecer atraente, e piorar o problema.

    Responder
  7. Coisas de um passado mal resolvido pode interferir na situação atual de uma pessoa sobrecarregada e subjulgar por outros.

    Responder
  8. Quando colocamos a nossa vontade em primeiro lugar, nos tornamos egoísta porque sempre foi feito do jeito que eu quero, e a minha vontade não deve ser contrariada, não medindo as consequências mesmo mim prejudicando.

    Responder
  9. A luxuria tomou conta, o egoismo o arrastou mas o peso na consciência em reconhecer o erro e não ter coragem de concertar o levou a esse ponto.

    Responder
  10. Os impulsos do ID soaram mais forte que do EGO e SUPEREGO onde no real momento culminou ele em trair sua esposa. com o passar do tempo que os impulsos do ID perderam força, as outras duas áreas entraram em ação onde o sentimento de culpa deu a ele o aspecto de depressão. A sublimação não foi atuante permitindo que ele mergulha-se em profundo abismo depressivo.

    Responder
    1. o id não aceita negativa sua pulsão é forte forte age como um bebe sem ideia das consequências. porem Eduardo tinha o alerta do superego e do ego tentando barrar o desejo do id no entanto cedeu as exigências do id movido pelo desejo e se deparou com as consequências do seu ato,

      Responder
  11. O id é ,sem sombra de dúvidas , algo a ser cada dia mais estudado, pois ele libera os sentimentos mais complexo do ser humano.

    Responder
  12. o id foi mais forte e ele traiu a esposa mesmo o ego e superego tentando proteger ele , o resultado foi a culpa

    Responder
  13. Se o Id nos faz mal e tambem aos outros não podemos ser tomados por um comportamento egoista e pensar só em nós, com isso o Id deve sim ser controlado para o bem e saude emocional de todos

    Responder
  14. A psicologia nos leva a compreender e superar aquilo que através dos inpulsos, nos levaria a cometer erros. Descobrimis através dos métodos psicanalítico o controle das emoções imediatas.

    Responder
  15. No caso de Cláudio, ele usou o ID (inconsciente) do aparelho psíquico, que busca uma satisfação irracional, de tão somente satisfazer os instintos sem pensar nas consequencias. Após, o fato impensado, ele teve o sentimento de culpa, que nada mais é do que o SUPEREGO por meio do EGO tentando controlar os impulsos do ID. Por fim, o conflito entre o ID, EGO E SUPEREGO pode causar um desconforto psicologico.

    Responder
  16. Vemos todos os dias, casos como de Cláudio.
    Pessoas que se deixam levar por instinto/impulso, sem medir as consequências de suas ações.

    Como resultado, além de perdas de bens e valores construídos ao longo da vida, temos os transtornos psicológicos, as doenças psicossomáticas.

    Responder
  17. Nosso Id e como se fossa uma criança mimada e teimosa precisamos tentar balancear com os outros dois elementos psiquicos que é o ego e o superego para controlar melhor esses impulsos causados pelo ID .

    Responder
  18. Nosso Id e como se fossa uma criança teimosa que quer algo a todo custo para melhorara precisamos balancer com os outros dois elementos psiquicos

    Responder
  19. Hora ou outra, o Ego acaba cedendo aos desejos do ID, mesmo que de forma parcial.
    id, uma espécie de subpersonalidade tarada, agressiva, egoísta e mimada, que vive brigando com duas outras instâncias: o superego e o ego. A primeira é repressora, um avesso do id, enquanto a segunda é conciliadora, tenta encaixar as doideiras do id nas exigências do mundo real.

    Responder
  20. Uma das coisas mais importantes na vida de cada de nós é adequerido através do maís alto nível de conhecimento adequerido sobre psicanálista clínico ok

    Responder
  21. O ID interage no aparelho do psíquico. Ou seja, é um agente que interage atividades na vida mental de uma pessoa.

    Responder
  22. Em última instância, a partir de um certo ponto da infância , na maioria das vezes, será o Ego que tomará a decisão final. Uma pessoa que não possua o Ego bem desenvolvido, não poderia desenvolver também o Superego. Sendo assim, seria guiada exclusivamente por seus impulsos primitivos, ou seja, pelo Id.

    Responder
  23. É fundamental que haja equilibrio entre as três instancias do id, ego e superego. Estas devem trabalhar em conjunto, caso contrário haverá sofrimento, como no caso apresentado, sentimento de culpa, arrependimento, depressão, etc. O id vai criar os desejos incontroláveis, o ego vai validar suas necessidades com base no exterior e o superego vai mostrar as diretrizes da moral.

    Responder
  24. A posição de sempre haverá um corpo onde se originam as sensações externas próprio perceptivas, uma relação de sujeito com seu próprio corpo, em suas diferenças, coincidências e oposições, empenhadas em uma batalha constante

    Responder
  25. Toda escolha tem as suas consequências e causa uma reação em cadeia, Sejam elas boas ou runs.
    A junta dos três elementos (ID,EGO E SUPEREGO)
    Acaba vencendo aquele que mais é alimentado pelo indivíduo.

    Responder
  26. FREUD, CLASSIFICA A ESTRUTURA DO EGO COMO FRÁGIL. AS PULSÕES DO ID SÃO MUITO FORTES. CASOS COMO ESTE SÃO COMUNS. O QUE SE DEVE ANALISAR NO ENTANTO, É QUANTAS VEZES A PESSOA E, QUESTÃO DISSE “NÃO”…

    O ID É INCANSÁVEL. SE A OPORTUNIDADE CONTINUA SE OFERECENDO DIA APÓS DIA, É MUITO DIFÍCIL RESISITIR.

    O ID NÃO CONHECE LIMITES, ÉTICA OU VALORES.

    Responder
  27. Dua coisas precisa-se saber sobre o ID. A primeira é que ele sempre estará lá, não existe uma maneira de extirpá-lo do nosso aparelho inconsciente. E a segunda é que, sabendo que não podemos nos livrar do ID, a única coisa que podemos fazer é discipliná-lo.

    Responder
  28. Estar consciente do id, é de suma importância. Por mais que essa força latente, irracional, nos incite a atropelar princípio, regras. É primordial, parar para fazer relações entre perdas e ganhos. Caso contrário, o indivíduo, no estado id, está sendo disfuncional, o que resultará e consequências desastrosas.

    Responder
  29. O id e como uma força dominadora que impulsiona o ego centralizado primitivo do individo que reagi inconciente

    Responder
  30. O pronome Renato já estava gravado em seu subconsciente, a mudança causou dúvidas e o deixou perdido, ocasionando alteração em seu comportamento.

    Responder
  31. O ego e a arrogância e prepotência é um desequilíbrio mental e isso causa sérias consequências na vida do ser humano.

    Responder
  32. Muito necessário a análise ou auto análise para isso.Com um preparo prévio poderia si obter um resultado satisfatório.

    Responder
  33. Freud pretendia conduzir o indivíduo vítima desse apse do id ao autoconhecimento afim de aplacar com controle vindo de seu cognitivo uma ferramenta pelo qual iria frear essa tal impulsividade para que não havesse consequências anti sociais ocasionadas por esse indivíduo e suas prorrogado consequências adquiridas pelo mesmo.

    Responder
  34. Um processo de pensamento antes da ação o ID, o Ego e por último superego. Usar o Id pulando o Ego, partido já para o superego, não é um jeito sábio de raciocinar. É preciso obedecer a ordem do processo sem pulos para ter consciência das consequências dos próprios atos.

    Responder
  35. O id faz com que o instinto aja de forma inesperada, pois mesmo sabendo das consequencias que o levará a pensar mais tarde o ego o utiliza de forma manipuladora.

    Responder
  36. Será que podemos dizer que a sociedade está mais propensa, em sua maioria, a ser vista como controlada pelo id?
    Pergunto isso, porque vejo pessoas sendo escravas de suas próprias vontades afirmando ser isso liberdade, quando não verdade é estar aprisionado sem grades, correntes, etc., pois se tudo que eu quero fazer, eu faço inconsequentemente, eu estou sendo escravo de minha própria vontade.

    Responder
  37. O pensamento é uma das coisaçs que podemos controlar.Então quando entendemos que existe possibilidades dentre as vontades , desejos etc, chegamos a conclusão de que as vezes alimentamos nos caprichos que vem do nosso psíquico.

    Responder
  38. É um tema muito delicado essa questão de traição, neste caso é preciso analisa os acontecimentos que levaram a esse ponto, e extrair dessa situação o que tem de ideal, frustação, realização e de desejo envolvido. Neste caso, é necessário o envolvimento tanto individual como o casal, com o objetivo elevar os sentidos da traição para reflexão profunda e verdadeira.

    Responder
  39. No momento em que Cláudio percebeu que seus desejos/impulsos por sua colega de trabalho estavam chegando a um limite de descontrole, acreditamos que a melhor decisão seria afastar-se de Andrea, pois toda vez que um encontro ocorresse entre eles, seria como se ativasse um gatilho relacionado a esta paixão dele por ela. Com isso, podemos entender ainda, que tal sentimento/desejo/paixão pode ter uma conexão com alguma experiência passada vivenciada por nosso amigo em questão e que encontra-se armazenada em seu inconsciente.

    Responder
  40. Cláudio deu vazão aos desejos do id e consumou o ato de traição. O sentimento de culpa que seu superego traz a seguir o deixa apático e depressivo. O que Cláudio necessita na verdade é equilibrar o que sente. Na verdade, o que foi feito, não tem retorno, mas reequilibrar seus desejos com o mundo externo, seria de excepcional valia para sua recuperação como indivíduo..

    Responder
  41. Temos que estar atentos as pulsões do id e conhecê-las também para quê possamos lidar com o sentimentos inconscientes. Depois de ter praticado o delito não adianta mais pesar no ato, pois, já se entregou ao id, resta agora ouvir o ego que nos propôs as barreiras que poderiam ser rompidas com o ato descrito. E o superego que tentou freá-lo antes do momento “ato”, agora só nos resta o sentimento de culpa que vai remoer os sentimentos dos envolvidos no do envolvido que traiu a sua esposa.

    Responder
  42. O ID, é aquela voz gritando dentro de nós para fazer algo que irá nos trazer conflito com a razão e o com bom censo.

    Responder
  43. entao tudo parte da noçao de valores de cada individuo aparte da i que se tem as consequecias de um ato praticado que fere todas as regras moral mais de pois de praticado so se tem uma saida pedir desculpa para quem foi vioalado dentro do contexto de Claudio no casa a esposa so assim ele poderia se livrar do sentimento de culpa que levou a depressao e ao esolamento

    Responder
  44. muitas vezes nos deixamos se levar pelo lado emocional de quere de poder ter tudo aquilo que desejamos, e ao obter acordamos e vemos que a realidade não condis com o momento presente, pois muitas vezes envolve questão e ética, costume, moral e principalmente religiosa, ai vem a sensação de culpa e medo podendo nos trazer a depressão.

    Responder
  45. Ao ser impulsionado pelo ID o sujeito se revela atraves de suas pulsões e desejos, prisioneiro de suas vontades e desejos. Na busca de satisfazer o prazer.

    Responder
  46. Precisamos entender que o Id e o responsavel por nossos desejos, porem, nao podemos dar lugar a ele sempre, ou seja, devemos lutar contra certos tipos de desejos.

    Responder
  47. Cláudio pode ter sido levado à trair, também por identificação do casamentos dos primeiros cuidadores. Talvez onde houvesse traições.

    Responder
  48. Faltou personalidade e respeito , pois o seu ego foi mais forte do que sua própria família e deixando com que a paixão o dominasse.

    Responder
  49. A psicanálise e o caminho para que o indivíduo possa encontrar as respostas que procura e a teoria desenvolvida por Freud deve ser o instrumento utilizado pelo psicanalista para que estas respostas possam ser encontradas permitindo uma melhor qualidade de vida.

    Responder
  50. O problema de Claudio foi ceder, e sempre acontece dessa forma com as pessoas que prezam pela etica e moral. Por saber que as escolhas (ID) vao trazer consequencias ruins, devemos nos afastar da cena.

    Responder
  51. Neste caso, o ID, usa o inconciente como base( memória), seria bom investigar se o Cláudio presenciou este tipo de relacionamento extraconjugal, já que o o ego e o superego não foram o bastante para o conter estes impulsos.

    Responder
  52. Os valores do EGO e do SUPERGO de Cláudio não foram fortes o suficiente para barrarem o desejo do ID, que era muito maior. Contudo com o passar do tempo o ID foi perdendo o interesse e o desejo diminuiu, permitindo que o EGO E O SUPEREGO tomassem novamente o controle. Mas ainda não de forma completa, pois apenas o sentimento de arrependimento foi trazido à tona, o mecanismo de defesa não foi ativado (sublimação), para permitir que houvesse a transformação do sentimento negativo em algo aceitável. É por isso que a depressão aparece, manifestando-se como um sintoma do conflito.

    Responder
  53. As pessoas muitas vezes não dão atenção ao Superego e Ego e por essa forma se deixam levar por seus desejos e a cometer ações que vão afetar suas vidas e trazer consequências desastrosas.
    Nossa mente pode ser uma grande armadilha para o modo como as coisas acontecem.

    Responder
  54. As pessoas vivem em um eterno conflito interno entre o certo e o errado, neste caso o ID de Claudio falou mais alto camuflando os riscos e consequências que logo em seguida apareceram em forma de arrependimento.

    Responder
  55. O id lança o conflito , o ego e o superego tentam nos proteger, mas entra um instinto forte que nos impulsiona a agir com impulsos indesejados.

    Responder
  56. Obedecer aos impulsos sugeridos pelo ID, demonstra a falta de autocontrole, assim como não suportar as consequências do gesto impensado.
    O autoconhecimento teria possibilitado evitar os desgastes e sofrimento de todos.

    Responder
  57. O id de Claudio venceu, faltou lutar contra ele com mais afinco, daí vem consequências desastrosas. Gerando assim grande culpa.

    Responder
  58. Nesse caso o Claudio não conseguiu frear seus impulsos, o ID dele foi mais forte do que o ego e o superego. Ele se sentiu um traidor de sua esposa e de seus valores, que para ele eram preciosos. Assim ele entrou em crise.

    Responder
  59. A falta de auto controle leva o individuo a obedecer a os impulsos do ID, logo colocara em prática atitudes que se arrependera.

    Responder
  60. Esse caso, fala de algumas coisas instigantes, seus impulsos sexuais, sua relação com a culpa e a questão da religiosidade. Seus impulsos sexuais o fizeram sentir atraído pela sua colega, mas o que será não resolvido dentro dele com relação à sua relação sexual com a esposa, que insatisfações ele sentiu? O que mais atraiu ele nessa colega? A ponto de levá-lo a ter relação com outra mulher. A culpa de Claudio, existe nele, no meu ponto de vista, porque o o superego dele foi alimentado com muito material de moralidade e religiosidade. Outras pessoas, talvez não teriam tanto problema com culpa e isolamento e aceitariam a situação como algo não tão importante. Valendo as raízes culturais de cada um.

    Responder
  61. Quando o indivíduo apresenta um determinado comportamento no seu inconsciente ele já o fez, Claudio já tinha traído inconscientemente por isso não teve forças para lutar contra os desejos do ID, a culpa veio quando “o ganho não foi maior que a perda”, sua esposa é tão mulher quanto a secretária e o medo inconsciente da lei do retorno fez com que Claudio percebesse que o que ele “pregou” a vida toda ( valores morais) não serviu para ele mesmo então a culpa o consome, agora Claudio tem outro problema, precisa trabalhar o auto perdão e e voltar para o eixo, a ser senhor de suas ações.

    Responder
  62. Quando o ser humano consegue ter o total controle de seus atos , está caminhando reto, porém quando se desvia facilmente não tendo o domínio de sua própria mente, acarretará a si mesmo caminhos tortuosos e nem sempre feliz, sendo que de momento é enganador, na verdade a propriamente se deixa enganar, enganar mesmo ocasionará a um caminho sem volta , a importância de um profissional é relevante, pois o ajuda a entender e pensar de maneira coerente sobre sua vida

    Responder
  63. Por isso deve haver um equilíbrio entre essas três instancias psíquicas, para que as demandas do id não afetem a trajetória do sujeito, ocasionando caminhos difíceis de ser trilhados, marcados por sintomas e adoecimento emocional.

    Responder
  64. O id é o instinto mais primitivo do ser humano agindo de forma irracional buscando sempre satisfazer suas vontades independente das consequências. No caso ilustrado, o Cláudio, seu aparelho psíquico age de forma desarmoniosa com o ego e o superego.

    Responder
  65. Daí a importância da Psicanalise na vida do ser humano, o autoconhecimento nortearia a decisão de Cláudio ,se o mesmo tivesse conhecimento de si mesmo, agiria de forma mais consciente, sabendo das implicações por se deixar conduzir-se pelo componente ( ID) que é movido pelo desejo, impulso ,de forma inconsequente, evitando assim entrar em processo depressivo ,por sentir-se culpado pela sua decisão .Ação do superego

    Responder
  66. Questões que não foram resolvidas nas fases do desenvolvimento, acabam tendo uma consequência na fase adulta, ter um auto conhecimento é muito importante para poder ter uma vida mais tranquila.

    Responder
  67. Cláudio não estava com o seu ego e superego bem equilibrado,por isto deixou-se ser levado pelos desejos e impulsos do Id.
    É fundamental que haja equilíbrio entre as três instâncias Id, Ego e superego, caso ao contrário haverá sofrimento, culpa, depressão etc… como aconteceu com Cláudio. Com isto começa a desenvolver possíveis doença psicossomática.

    Responder
  68. Do id vêm os impulsos cegos e impessoais devotados à satisfação pessoal. Ele não consegue perceber os limites de suas ações, por ser o mais inconsciente dos três componentes da pessoa humana. Está na parte mais profunda do aparelho psíquico.
    Por não atentar aos apelos do ego e do superego, Cláudio passa a viver tomado por angústia acompanhada de sentimento de culpa que o levaram à depressão e ao isolamento, sentimentos estes, próprios de pessoas dominadas pelo ID.

    Responder
  69. Ele nao percebeu que estava entrando em desequilibrio, e perdendo assim o limite de suas ações,e por isso cedeu.o auto conhecimento é de suma importáncia,para mantermos o id,ego e super ego em equilibrio.Para assim não pesar tanto o sentimento de culpa

    Responder
  70. Deixando-se dominar-se pela sua personalidade mais primitiva, dando vazão e procurando realizar os seus desejos sem considerar as consequências dos seus atos, permitiu, assim, a ação do id. Ocorre aqui um conflito entre id, ego e superego. Mesmo com a ação do ego e superego, procurando levá-lo (Cláudio) a pensamentos e ações mais elevadas, a vencer o seus desejos mais obscuros, não obteveram êxito.
    Cláudio com a realização do seu desejo, trouxe para si consequências danosas para sua vida profissional, familiar e psicológica.

    Responder
  71. Por mais que o Ego e Superego tentassem influenciar Claudio a perceber que a sua ação em trair sua esposa traria infelicidades, tristezas aos envolvidos, mesmo assim o desejo pessoal o ID agiu de forma tão intensa que Claudio se deixou levar por vontade incontrolável para satisfazer esse desejo que resultou em uma depressão e isolamento.

    Responder
  72. Bom levando em consideração que aparentemente o casamento estava bem alguma coisa no Cláudio não estava. Ninguém se apaixona do dia pra noite mas a convivência diária com a colega que foi reafirmando dentro dele que valia a pena jogar tudo pro alto pra ir fundo nesse impulso. Tendo concluído todo o seu desejo, a culpa o domina uma coisa leva a outra e agora temos um paciente precisando de ajuda e não mais de julgamento.

    Responder
  73. Pode ser que o sentimento de culpa existiria ainda que não tivesse cedido, a inquietação do desconhecido aliás, ainda sob efeito do julgo do superego

    Responder
  74. O Id força que predominava no impulso sem pensar nas consequências e no outro era maior….Depois que o ego satisfez veio o sentimento de culpa e arrependimento…Super ego.

    Responder
  75. A força do Id foi maior…Depois que satisfez o ego caiu na real e veio a depressão o arrependimento por questão religiosa,junto com a formação de caráter…

    Responder
  76. Conclui-se que o Ego é o estágio da Psique de grande relevância, pois nos mantém conscientes do que é bom e ruim, até mesmo os possíveis riscos de uma atitude afobada.
    O Superego também é importante para o dia a dia de uma pessoa, pois nos traz princípios da civilização e limites, os quais estão relacionados a sociedade e crenças. E que futuramente irão de alguma maneira apaziguar tais eventos de forma positiva, evitando consequências trágicas e irreparáveis.

    Att: Caroline Val

    Responder
  77. O controle é pensar a sua posição social ,familiar, Religioso e etc,e como resolver agora essa situação com altoculpa ,talvez um pedido de perdão vai esvaziar sua cabeça e repetir mais, porque à um desgaste enorme, vem a reputação, família, amigos da sua sociedade sua Religião ,é purai

    Responder
  78. O importante foi satisfazer o ego… depois se deu conta do que fez! O id gritou nessa situação… talvez a culpa (permaneceria) mesmo se não tivesse cedido!

    Responder
  79. Depois do id (traição de Claudio), surgiu a repressão fazendo que o seu corpo adoecesse com a culpa.

    Responder
  80. Quando temos a oportunidade de nos conhecer (autoconhecimento), podemos ter ter a capacidade de frear, esses implusos que fazem parte da vida de qualquer ser humano. E se permitindo ouvir o ego e a clareza das razões pelo supergo, eliminando nossas ações geradas pelo nosso Id.

    Responder
  81. Perspectivas: Vida conjugal, o como estava? Não sabemos! Desejo da conquista, de se sentir ativo, como estava? Indicados os atos prevalecentes do aparelho psíquico agindo na busca pelo prêmio, ponderando os prós e contras, e por fim recebendo o bônus e ônus e sua ação, resultando como consequência a depressão! Convivência cria laços, muda visões, cria relacionamentos, quanto a convivência influenciou? Ao passo que o Id é despertado a influência do meio colaborou para o desfecho em sua crise psíquica, porém não podemos afirmar que a relação se construiu pelo meio, pois algumas perspectivas não completam a análise superficial do caso.

    Responder
  82. O superego é importante para a vivência da pessoa. O ego é a consciência o eu de cada um.o que caracteriza a personalidade de casa pessoa.ele se encarrega de guardar o reservatório de lembranças. ID refere a identidade trata se de instâncias da mente..

    Responder
  83. Esse peso na consciência acaba o fazendo se sentir fracassado onde não foi capaz de dizer não aquilo que era contrário a sua essência. Isso causa depressão, ansiedade e mesmo que esse casamento não esteja bom, ele tentará continuar pelo peso da culpa, fazendo a outra pessoa infeliz também.

    Responder
  84. Ao se deixar levar pelos impulsos ( ID)ele cria um cenário de hostilidade e desrespeito consigo próprio, pois traio o moral ideal da sociedade e religião e saber disso seu inconsciente o alerta através da depressão, o deixando sempre como o sentimento de culpa por trair alguém que ele deveria respeitar e traindo a si mesmo ao ser inconsequente

    Responder
  85. A cada etapa da vida, sentimentos mal resolvidos, acumulam, no dia a dia,
    no sub consciente, emoção toma conta da razão, que se perde com as vontades e domínio do ID com sentimentos avassalador.

    Responder
  86. Devemos nos autoconhecer e desenvolver o nosso autocontrole para não sermos dominados pelos os impulsos do ID, com o nosso ego consciente equilibrado tendemos a ter sucesso nas nossas escolhas, atitudes, projetos e nas nossas relações.

    Responder
  87. Boa tarde, concordo com a Andréa Romao, há alguma infelicidade no casamento, onde o levou a ser atraído por outra pessoa. A não ser que Cláudia já possua problemas de conduta o id exacerbado, onde o leva a satisfazer suas vontades não se importando com as consequências, mas de certa forma a conta chega e mais cedo o mais tarde, ele sofre com as consequências dos seus atos.

    Responder
  88. Não vejo motivo para ter uma traição,foi falta de respeito, porque sabemos o que é certo e errado,no final sofremos as consequências,Será tarde para arrependermos.

    Responder
  89. Nesse caso, o ID gerou em Cláudio o impulso para a traição. O ego e superego tentaram agir e interromper o ato, mas foram superados. Por consequência, o sentimento de culpa levou Cláudio a desenvolver doenças psíquicas graves.

    Responder
  90. As consequencias inquietantes trazidas pelo domínio do ID sobre o Ego e Superego de Cláudio foram a depressão e o isolamento.

    Responder
  91. Todo ser humano é egoísta, isso é a natureza do homem.
    Quando chegar a r escassez, seja do que for
    O homem sempre vai buscar por sua sobrevivência custe o que custar.
    Então sempre vai pensar no seu prazer.
    Algo ficou escasso em seu casamento, quando há traição ambos devem algo para o relacionamento, ninguém sai traindo a toa.

    Responder
  92. O ser humano é pecador e tendência para fica fora dos princípios morais e éticos. Todavia o ser humano nasce com o fluir da primeira Glória “inocência”, com o processo da jornada da vida, vai surgindo opções de escolhas, tomadas de decisões promovidas pelas APTIDÕES que vão surgindo em virtudes “poderes” do(s) momento(s), onde há conflitos e lutas IntraPessoal, que surgem em casos de tentações IntraPessoal por desejos e paixões carnais da natureza humana pecaminosa para comprovar que o ser humano encontra-se destituído da Glória de Deus, o qual.chamo: Destituído da segunda Glória. Porém, revela-se que ao ser humano há o Caminho, a VERDADE e a vida, o Amor, a Fé e a Esperança, revelado no Filho de Deus. Há balões de ensaios de explicações em que ao ser humano há genes do adultério, genes da violência, genes da ideologia de gênero, genes das paixões carnais etc. Há um conflito constante no ser humano por virtudes de suas necessidades, todavia é preciso ser vigilante e ousado para não cair na tentação das paixões carnais do tal gene do adultério. A consciência moral é reflexo da lei moral instruída na consciência do ser humano ao descobrir o que é certo do errado e do errado do certo. Certo é Certo, errado é errado. Sim Sim, não não o que passa disso é procedem do maligno. Nem todo erro é pecado, todavia todo pecado é erro. Não já justifica para pecado. Há própria consciência sofre com a culpa e remorso. Todavia o.caminho é arrepender do pecado e não praticar mais.

    Responder
  93. Aconteceu. E a partir daí?
    Provável essa angústia tomou conta e ele precisa ligar com Igor. Superego batendo na porta diariamente e o ego num beco escuro. Desejo, o novo, o contexto do momento devem ser trazidos a tona. Nas convenções ele errou mas precisa lidar com isso para não afetar os arredores, o que deve já estar ocorrendo.

    Responder
  94. O autoconhecimento é uma ferramenta importante no desenvolvimento do psiquismo, saber sobre os componentes da personalidade ID, Ego e Superego nós ajuda a compreender as pulsoes de vida e de morte, os impulsos agressivos e repulsivos. No caso de Eduardo percebemos que ele não tem ciência da pulsão que o domina, no caso a de morte, seja pela satisfação do desejo de trair, e a traição em si e o resultado gerando pela culpa, e por fim a depressão reforçando a pulsão de morte.

    Responder
  95. Neste caso o ID, Insconsciente tomou conta de Claudio que agiu impulsivamente sem pensar nas consequências, seguindo seus desejos e pulsões , porém depois de um tempo o super-ego (juiz) apareceu cobrando de Claudio e a consciência dele pesou e ele se culpou.

    Responder
  96. Se o ID tomou conta da situação, e o fez ter ações que não condizem com seu comportamento, o melhor a fazer é encarar a realidade de forma mais honesta consigo e com os envolvidos, porque a culpa pode trazer problemas bem mais sérios, tanto para quem fez, quanto para quem foi envolvido. Encarar o erro e a realidade podem não ter resultados esperados, mas é libertador. Não é justificar o erro, mas entender que o que ocorreu não será mudado, e resolver as consequências.

    Responder
  97. Acredito que o ID usado corretamente, tem seu valor (não foi esse o caso) e ficar no superego é sinônimo de culpa e autoflagelação ( o que leva a doenças psicossomáticas). O que falta é a autorresponsabilidade de assumir que errou e também falta a empatia própria de se perdoar. Assim, você erra, nesse caso ele a traiu, porém, assume que errou e arque com as consequências. E depois, tenha empatia por si mesmo e procure entender o motivo da traição. A busca pelo autoconhecimento é compreender suas ações e seu padrão de funcionamento e assim, errar menos, e não ter uma vida plena e sem dor.

    Responder
  98. Entendo que Cláudio deixou se levar pelos desejos do Id, e seu ego ( razões conscientes para não trair), não foram suficientes para o impedir de cometer o adultério. Contudo, seu superego é forte e a repressão no sentido de culpa, fez com que ele adoecesse. E assim ocorre com muitos pacientes, os quais chegam no consultório doentes e com muitas questões mal elaboradas pelo Ego e que sofrem pelo fato do Superego os condenar.
    Nem eles sabem dizer o que os adoeceu e de uma depressão pode ocorrer doenças psicossomáticas. Necessário ouvir sem juízo de valor e ressignificar.

    Responder
  99. Sempre as ações que o ser humano comenta estão sob uma ação e consequência.
    O mesmo pode se refletir na falta de ações ou sentimentos que ele mesmo tem, sentindo falta de sua esposa.
    Também o fato de ter um sentimento de culpa fala dos valores e princípios que ele pode ter e por esse fato ele tem aquele sentimento de culpa e depressão.

    Responder
  100. Do id vêm os impulsos cegos e impessoais devotados à satisfação pessoal. Esse componente não consegue perceber os limites de suas ações. Ele é o mais inconsciente dos três componentes. Está na parte mais profunda do aparelho psíquico.
    o id deixa a pessoa cega não conseguindo enxergar satisfazendo toda a carne

    Responder
  101. Um má desenvolvimento em habilidades de inteligência emocional e responsabilidade afetiva contribuem para essas atitudes. O não reconhecimento dos próprios desejos e pensamentos frente as regras sociais fazem com que Cláudio acredite ser estável emocionalmente.

    Responder
  102. O ID gerou o impulso, porém para ele já estar pensando em traição, já há problemas no casamento, rotina, brigas frequentes, falta de demonstração de interesse, são vários os motivos que podem causar o afastamento de um casal, o esfriamento de um relacionamento, e então entra o pensamento na terceira pessoa… E com o empurrãozinho do ID já está mais um casamento destruido pela traição… Porém apesar de tudo havia amor e houve arrependimento, a ponto de causar uma depressão…

    Responder
  103. Cláudio se deixou levar pelo ID, que o fez agir impulsivamente sem pensar nas consequências, seguindo seus desejos e pulsões acabou traindo a esposa. Mas após um tempo começou o peso através do SUPEREGO, se culpando e cobrando por essa traição.
    Por isso é tão importante o autoconhecimento, aprender a lidar com seus sentimentos e emoções. Se as estruturas do aparelho psíquico estivessem em interação, talvez teria sido evitada a traição e todo o estado doloroso que isso depois o causou.

    Responder
  104. Ego e superego são os responsáveis pela tomada de decisão de súbito, quase por instinto, onde deixamos de lado a consciência e damos vazão aos nossos desejos reprimidos.

    Responder
  105. No caso do Claudio, acredito que algo não estava bom em seu relacionamento, o erro comum que desencadeia a traíção é idealizar o outro e não ver ele como realmente é, mesmo que a pessoa traia o outro, na verdade está traindo a si mesmo, a traição revela a forma inconsciente de que não está indo bem.

    Responder
  106. Claudio tinha 3 filhos, significa que o casamento já tinha passado da fase de namoro e novidade a bastante tempo além disso existia bastante responsabilidade, não tinha muita novidade, não tinha uma rotina saudável e disposta ao amor, Claudio e a esposa deixaram de servir um ao outro, deixaram de ter a entrega diária e com as responsabilidades Claudio que não tinha um caráter tão bem formado e sentia falta da validação e de se sentir um homem, acabou sucumbindo aos desejos baixos ao apetite concupiscente e traiu, após a traição Claudio entra em neurose pois foi bombardeado com a realidade de que a colega de trabalho era apenas uma opção mais fácil para que ele se sentisse temporariamente “homem” e o desejo baixo era apenas sua grande imaturidade e egoísmo gritando a neurose o trás o peso da consciência o que o leva a depressão

    Responder
  107. O grande segredo para o equilíbrio da vida esta em conter o id, nossos impulsos mais primitivos, e creio que entre eles esteja o da perpetuação da espécie em primeiro lugar. Mesmo controlados pelos outros mecanismos psíquicos pode-se suplantar aos elementares.

    Responder
  108. Claudio deixou seu desejo tomar conta da situação, o foi dominado pelo ID, mas também vejo que é necessário entender o porque ele se deixou dominar, o porque não o ego e o superego não conseguiram fazer com que ele pensasse melhor antes de cometer a traição.

    Responder
  109. O ser humano é passível de muito desejo e quando isso ocorre de forma a satisfazer seu ID muitas vezes o retorno não é tão favorável e pode machucar outras pessoas, porém ser certinho demais e não se aventurar poderá gerar frustrações e sintomas que precisará de muita análise e consultório para sanar os danos. O melhor é ter um equilíbrio, o que nem sempre possível.

    Responder
  110. Nossa mente é um vasto mundo onde precisamos ter domínio sobre ele e quando temos dificuldades de convivência social profissional familiar devemos buscar um profissional capacitado para que o mesmo possa nos ajudar a encontrar um caminho que sabemos que não é fácil através do autoconhecimento

    Responder
  111. O ID prevaleceu, ele é a fonte de energia psíquica ligada à impulsividade. Ou seja, Cláudio cedeu aos seus desejos e impulsos.
    Depois surgiu o super ego onde veio a culpa e o arrependimento levando-o a depressão.

    Responder
  112. A vontade e o impulso do Id prevaleceu sobre o Ego e Superego. Se o mesmo tivesse conhecimento sobre o funcionamento do aparelho psíquico, poderia explorar os mecanismos de defesa como a Sublimação para descarregar os seus impulsos e proteger a harmonia entre o Id, o Ego e Superego.

    Responder
  113. Esse rompimento do compromisso pode ocorrer por conta de muitos motivos. Algumas vezes é a falta de algo no relacionamento atual. Para outras pessoas, a atitude é movida por um desejo de conquista, de inovar, ou até da tentativa de manipulação. Como já foi dito o Id prevaleceu sobre o Ego e o Superego.

    Responder
  114. Na situação relatada acima, Claudio deixou que o ID, responsável pelo agir “impensável”, o dominasse, sem dá espaço para a razão (parte representada pelo EGO). Agora o Claudio terá como consequências vários fatores, “gerados” pelo SUPEREGO. Visto que, com esta atitude Claudio infringiu princípios e valores.

    Responder
  115. Compreender e dominar o id sobre o funcionamento do aparelho psíquico é muito importante para entender os princípios da Psicanálise e resolucionar conflitos.

    Responder
  116. O caso em questão, passa pela vida de um pai de 3 filhos e com um casamento longo. O que acontece é que o ser humano sempre vai ser atraído por algo novo, Recordemos de nossa infância, onde um brinquedo era deixado de lado, por ter visto um outro novo, não que este novo fosse melhor ou mais caro do que o primeiro, atraíamos simplesmente porque era algo novo. Assim também os nossos desejos maduros, onde o nosso ID nos impulsiona para o algo novo, mas cabe ao próprio ser já maduro e cônscio de que suas ações praticadas fora dos padrões morais e aceitos em uma sociedade, os levarão a um total estado de desiquilibrio mental, porque não pesou de verdade as consequências que poderiam vir a tona em seu intimo que lutava, o ego, para indicar que não valeria a pena, por mais que seja atraente esse brinquedo novo, ceder ao ID e e passar por cima de conceitos que o mesmo tinha como corretos e verdadeiros.

    Responder
  117. EU diria que, até o momento em que Claudio traiu ele sabia o que era Moral (regras), tanto é fato que, tentou passar pelas “peneiras” moral religiosa(superego)e social (ego) mas, não tinha introjetado a moral ao ponto de ter como princípio e agir com ética, sendo dotado de vontade, ou seja, capaz de controlar e orientar desejos.

    Responder
  118. Na situação mencionada, Claudio não conseguiu se controlar, deixou seu ID o dominar, por isso, sofreu as consequências pela sua ação.

    Responder
  119. Nesse caso ( ID,EGO,SUPEREGO ) falaram mais alto, então quem não tiver um controle emocional
    acaba perdendo uma história por um momento, depois percebe a besteira que fez.

    Responder
  120. O ID, ao dominar o aparelho psíquico de Cláudio, provou que as consequências para ele não têm a menor importância, mesmo sendo alertado e pressionado pelo EGO e pelo SUPEREGO o princípio do prazer característico do ID, venceu e ele efetivou a traição. Porém, como Cláudio não é de personalidade perversa consequências surgiram, as cobranças internas o afligirão para sempre, e podem desencadear um processo de depressão severa, culminando com um suicídio, caso ele não procure ajuda especializada.

    Responder
  121. No caso de Claúdio , ele não pensou duas vezes antes de cometer o ato de trair a esposa, ai e que entra a questão do ID o EGO e o SUREGO,O EU dele falou muito, as suas emoçoes deixou com que ele perdesse totalmente a noção do que poderia prejudica-lo mais para frente, ou seja Cláudio só percebeu quando prejudicou o seu serviço e sua vida familiar, ou seja deixou levar pelo momento da paixão.

    Responder
  122. Podemos ser influenciados pelo ambiente e pelas circunstâncias, todavia, o nosso desafio está no fato de não nos permitirmos, pois, temos a certeza que uma atitude precipitada gera uma consequência diversa.
    Devemos controlar as nossas histerias trabalhando as nossas emoções.

    Responder
  123. A ação ( o ato em si ) até podemos controlar. Já o desejo é complicado, porque não controlamos nossa mente.

    Responder
  124. No caso do Cláudio o adultério ou traição foi o ponto principal do conflito até pq no Brasil é o que mais se condena-Para algumas pessoas e o roubo e para outras até mesmo algo que cause sofrimento e depressão.

    Responder
  125. O conhecimento de si mesmo e do outro em diversas culturas nos leva a entender a como em cada cultura o ID e o Ego se conflitam entre seguir ou transgredir as regras-

    Responder
  126. Parece o caso do Rei Davi!!!
    Deus perguntou a ele: por um acaso te faltou algo?
    Ele tinha tudo!, e mesmo assim consumou o ato com Bateseba, ao ponto de matar Urias que era seu marido.
    A consequência veio e foi trágico.

    Responder
  127. A força do id de Claudio sobrepôs o super ego e o ego, logo dominado pelos impulsos o mesmo se entrega ao agora e as consequências são brutais. Agora lidar com a culpa e os desdobramentos levará o paciente a o caos. O autoconhecimento o levará a buscar ajuda e sair com auxílio de um profissional.

    Pior que o erro é ser sequestrado pela culpa todos os dias.

    Responder
  128. O sucesso de uma análise assertiva tornou-se mais uma decorrência da personalidade, da imagem pública, atitudes e comportamentos, habilidade e técnicas que lubrificam o processo de interação humana.
    Esta Ética da Personalidade trilha dois caminhos básicos: um deles é o das técnicas nas relações públicas e humanas e o outro uma atitude mental positiva para uma maior abertura de diálogo entre ambos.

    Responder
  129. Cláudio cedeu aos impulsos do id. O ego o levou a consciência do ato e, consequentemente o sentimento de culpa ( superego) que culminou na depressão dele.

    Responder
  130. Desta forma, a ajuda ao indivíduo se torna mais fácil e nos permite mais objetividade e aficacia em nossas ações, diante de tal situação.

    Responder
  131. Cláudio cedeu às pulsões do ID, as quais não levam em consideração regras, imposições políticas, religiosas, sociais ou culturais. Faltou-lhe autoconhecimento suficiente para redirecionar a pulsão de trair sua esposa e seus próprios valores. Ele não fez uso de nenhum mecanismo de defesa, não se protegeu contra o id. Não houve, por exemplo, a canalização dessa energia para ações positivas condizentes com seus valores e com a sua moral como homem casado.

    Responder
  132. Cláudio foi dominado pela pulsão satisfazendo os seus desejos momentâneos sem perceber os limites de suas ações e com o Ego e o Superego ele sentiu arrependimento , com as memórias e repreensão , culpas e punições Morais sem conseguir balancear os três componentes do sistema psíquico acabou resultando desconfortos psicológicos que o levaram a perdas Morais e sentimentais …até podemos controlar o ato mas não a mente

    Responder
  133. As consequências desse ponto de vista são discuttidas, chegando- se a conclusão de que os pares do oposto são uma parte importante da concepção de sujeito no campo psicanalítico e tem relevância para o entendimento do que é saúde e doença psíquica.

    Responder
  134. Claudio, ao quebrar todos os valores morais e éticos que até então em sua vida eram “corretos”, de forma irresponsável e inconsequente, tornou-se
    uma nova pessoa, conflitante com tudo que até então viveu. Isolando-se e tentando se reencontrar de forma que entrou em desequilíbrio e depressao.

    Responder
  135. Segundo Freud o inconsciente tem leis e uma lógica própria de agir independe do indivíduo. Onde a estrutura do aparelho psíquico é formada pelo, Id, Ego e Superego que devem estar em constante interação para que sejam evitados estados dolorosos, resultantes dos sentimentos de culpa ou da impossibilidade de realização dos desejos.
    No caso do sr. Cláudio as estruturas psíquicas estavam desorganizadas em conflitos e o Id manifestou. Desencadeando os impulsos primitivos, irracionais buscando satisfação e realização desses desejos, não conseguindo perceber os limites de suas ações. Por sua vez o mecanismo de defesa não funcionou então, consequentemente não ocorreu a sublimação que possibilita a transformação dos impulsos
    indesejados em algo menos danoso. Logo poderá resultar em aparecimento dos desconfortos psicológicos e das doenças psicossomáticas.

    Responder
  136. Penso que para todas as questões da vida, Id, ego e superego, tentarão fazer com que o indivíduo realize todos os seus desejos de forma equilibrada. Não deve haver domínio de apenas um destes três elementos da psique, mas uma ponderação deles, com auxílio da sublimação. Se Cláudio estivesse em equilíbrio psíquico, não seria vítima do remorso devastador e da depressão profunda devido a seus atos.
    Creio que se qualquer elemento psíquico, for desproporcionalmente maior que os demais, acarretará atitudes desfavoráveis ao indivíduo. Se o id estiver inerte na vida da pessoa, penso que este individuo estará fadado ao fracasso, pois não terá os impulsos necessários para buscar e enfrentar desafios na vida, bem como, não haverá conflitos mentais estimulantes para atuação do ego e superego. Cláudio, fracassou, por não saber ponderar os estímulos e impulsos do id, e ter desprezado as reflexões propostas pelo ego e superego. Agora resta, com auxílio da psicanálise, se permitir perdoar e dar uma nova chance para sua vida e felicidade.

    Responder
  137. Uma questão de pincipios e valores que foram qubrados e levaram a depressão, mas como foi consciente, tratar com a verdade, o arrependimento e o perdão poderia aliviar da dor e da culpa.

    Responder
  138. Uma questão de pincipios e valores que foram quebrados e levaram a depressão, mas como foi consciente, tratar com a verdade, o arrependimento e o perdão poderia aliviar da dor e da culpa.

    Responder
  139. Aí está clara uma situaçao de id ego superego desalinhadas, em total fora de equilíbrio, ele sabe que está errado mas mesmo assim o faz, caracterizando depois a culpa, o superego. Não podemos deixar de ver o que realmente o levou a fazer isso e não analisar a falta de caráter mas sim um descontentamento da relação atual com sua esposa. Isso vem de lá atrás de como foi criado, como foi sua relação com a família, pode ser sim uma criança ferida que precisa de cura, foge dos problemas ao invés de infrentá-los, uma conversa aberta com a sua esposa no caso, lhe falando do descontentamento.

    Responder
  140. Claudio foi dominado pelo Id ,pela pulsão e após o ego e o superego veio a culpa , e consequentemente a Depressao . A ação conflituosa desses 3 componentes psiquicos pode resultar no aparecimento das neuroses e desconfortos psicológicos .

    Responder
  141. Várias questões envolvidas, o ID gritando por liberdade, a falta de conhecimento próprio e capacidade de controlar os impulsos.
    Resultando em uma ressaca moral, em alguns casos gerando conflitos psicológicos.

    Responder
  142. Todo vez que reprimimos um desejo e esse desejo nos levam ao sentimento de culpa, nos punimos. Essa punição vem em forma de dor.
    Temos a consciência do que é certo e errado em nossas vidas.
    Essa consciência que entendo ser construída por um contexto social que nos impõe crenças limitantes.
    Por isso que não somos livre e nem autônomos para realizar tudo que desejamos, porque fogem aos nossos princípios e valores. O nosso outro “eu” oculto.

    Responder
  143. precisamos destravar de passado que deixou com traumas,a psicanálise se mostra relevante por fornecer pistas que a sociedade atual entenda os conflitos de ordem psiquica e seus desdobramento no dia a dia

    Responder
  144. ID basea-se no princípio do prazer
    EGO basea-se no princípio da realidade

    No caso apresentado a estrutura psíquica estava em desordem o que culminiu em depressão.

    Responder
  145. A culpa, acredito ser a grande causa de muitos casos de depressão, ansiedade e pânico… O indivíduo, além cometer algo errado contra o outro, quase sempre, conscientemente fere a si próprio e por mais que peça perdão pelo erro cometido, o desafio maior está no auto perdão.

    Responder
  146. Além de lidar com a culpa, na prática, o mais difícil é arcar com as consequências da traição (separação, distanciamento dos filhos, acusação e julgamentos das pessoas, entre outros).
    A culpa é um sentimento que paralisa, prostra, deixa o individuo congelado no fato, sem encontrar saida.
    É necessário trabalhar o autopersão.

    Responder
  147. O que me chamou a atenção foi a questão da culpa. Ele foi traído pela própria consciência e baseado nisso se sente culpado. Muitos fatores contribuem para que o indivíduo dê mais valor ao que está oculto, desvalorizando a conduta de cumplicidade e lealdade

    Responder
  148. Ao ceder às investidas do ID, o indivíduo fere os princípios morais que desenvolveu ao longo da vida, logo após vem a culpa e autocondenação, que, quando não trabalhadas, levam a casos de depressão e outros transtornos.

    Responder
  149. Claudio pensou mais nos desejos que estava sentindo no momento, e não deu muita atenção para os principios que ele tinha, e para a família.
    Não parou para pensar nas consequências, dos seus atos mas depois veio o sentimento de culpa e de alto condenação sem encontra solução para seu problema que o paralisou.

    Responder
  150. Os três componentes psíquicos, ID, EGO e SUPEREGO entraram em colapso, assim que Claudio cedeu aos seus instintos primitivos.
    Isso causou o sentimento de culpa que resultou em um transtorno emocional acentuado.

    Responder
  151. Portanto, com esse caso fica claro que devemos ter nossos valores muito bem preservados. Para quando chegar um momento desse estarmos preparados para que nossa resposta seja dentro de nosso valores. Precisamos está apto para estas circunstâncias emocionais que alcança a todos.

    Responder
  152. Ao trair a mulher, Claudio, cedeu aos impulsos e foi dominado pelo ID, sede das paixões. Ao ficar triste e se isolar foi pelo superego dominado. O superego é a sede da moral, dos princípios e padrões sociais vigentes em seu meio.

    Responder
  153. Acredito que após se deixar dominar pelas emoções e euforia de uma paixão proibida, Cláudio recuperou o bom senso e entrou em depressão porque percebeu o enorme erro que havia cometido por agir precipitadamente.

    Responder
  154. Na minha opinião a traição não tem haver com estado civil. Claudio traiu porquê cedeu aos impulsos do Id, não se preocupando.com as consequências. Ele ignorou o Ego eo Superego. Prevalecendo então o ID.

    Responder
  155. Temos que entender que o Id é responsável por nossos pensamentos mais primitivos, entretanto ,temos que ficar em alerta para não dar vazão a eles.

    Responder
  156. Freud, entre outras palavras, diz que o desejo põe o aparelho psíquico em funcionamento. Isso está provado no caso de Cláudio.
    Em todas as realizações humanas, um dia foi desejo. A questão que chama atenção é que o impulso de realizar o desejo do Id não
    conseguiu ser barrado pelo Ego e Superego, por isso a culpa o atormentou.

    Responder
  157. No caso de Cláudio, a falta do autoconhecimento fez com que ele não conseguisse regular suas emoções e cometer a traição motivada pelo ID. É preciso se autoconhecer para se criar um processo de autoregulação das próprias emoções. Na verdade, o sentimento de remorso não é somente por ter traído sua esposa, mas principalmente por ter traído a se próprio, seus valores e suas crenças.

    Responder
  158. O ID prevaleceu e Claudio cedeu aos seus instintos mais primitivos, num impulso não pensou em seus valores e tampouco nas consequências. Passado esse período, o superego trouxe à consciencia e veio o sentimento de culpa.

    Responder
  159. Assim mostra que devemos sempre pensar em nossas palavras e principalmente nossos atos.. Tudo que vai volta, e a volta nem sempre é a das melhores.

    Responder
  160. A psicanálise tem sido facilitador na vida do indivíduo, contribuindo para que o ser humano tenha mais mecanismos que o ajude a superar as dificuldades, os conflitos internos. Uma vez que o ser o ser humano é consciente de si, tem mais facilidade para lidar com seu interior conflitante.

    Responder
  161. O Id foi o dominador do personagem da história, deixando o mecanismo de defesa do ego incapacitado de desempenhar a sublimação e com isso levando a um processo doloroso de organização psique.

    Responder
  162. o autoconhecimento nos propicia a vencer certos desejos, estar em dominio das nossas emoçoes e reaçoes, acredito que claudio se deixou levar por um sentimento momentaneo que envolve varios fatores.

    Responder
  163. Mesmo sendo confrontado pelo ego e superego, a falta de autoconhecimento fez com que o id responsavel pelos prazeres prevalecesse na sua decisão.

    Responder
  164. O sentimento de culpa traduz a sua reprovação diante de sua conduta por confrontar seus princípios pré estabelecidos. Houve a fixação da culpa o que desencadeou o processo de isolamento e , consequentemente um isolamento social visto que ele demonstra não saber se perdoar . Sentimentos de auto punição são comuns nos depressivos.

    Responder
  165. O controle dos impulsos, dos desejos expectados nos levam a buscar outros caminhos quando não há o autoconhecimento. Percebe-se que, os valores praticados por Claudio não foram suficientes para barrar a força do impulso impetrado.

    Nessa luta diária do ser humano, a sublimação não teve espaço. As consequências serão mais duras a cada dia senõa tratadas e dialogadas.

    Responder
  166. A sublimação seria uma ferramenta muito produtiva nesse caso e em tantos.
    O autoquestionamento favorece indubitavelmente o autoconhecimento e por consequência: o autocontrole.

    Responder
  167. Claudio agiu por impulso,dando mais atenção ao ID.Agindo assim ele não pensou em sua família e menos ainda nas consequências,mas depois veio o sentimento de culpa.logo assim o EGO faz ele rever sobre sua ação e se ajustar sobre seus impulso

    Responder
  168. A carencia da quail originou a quebra da aliança desta relação; o suprimento desta carencia foi dominada pelo comando do Id? Invalidando o comando de defesa?

    Responder
  169. Ao ser vencido pelo ID, Claudio se sente culpado pois tem conciência das dores reais que sua ação trará ao sua esposa e família… nota se também que Claudio sente culpa por ter infringido conceitos morais e religiosos aos quais para ele e para o seu grupo social são de grande valia. A culpa, vergonha e sentimento do peso do pecado levou o Claudio a mergulhar na depressao…pessoas com esse senso moral e religioso tem mais dificuldade em se perdoar quando cedem aos desejos do seu ID.
    Penso que para o Claudio o primeiro passo é compreender que ele é humano e valho, e que se perdoar abandonando o sentimento exagerado da culpa seja o principal passo para se recompor e iniciar os outros processos que possam redefinir sua vida.

    Responder
  170. Deveremos analisar em qual período obteve esse instinto que gerou a vontade e execução dessa postura.

    Responder
  171. No caso apresentado, existe um desequilíbrio entre os três componentes que compõem o aparelho psíquico, onde o ID se sobrepõe ao Ego e Superego. Sendo assim, acredito que a análise do caso não pode ser dotada de julgamentos morais, religiosos,pessoais, visto que Freud nos descreve em sua metodologia que o inconsciente tem luz e lógica própria de agir, então partindo-se por esse caminho, a pergunta que norteará a minha investigação nesse caso seria :
    O que leva um indivíduo aparentemente consciente das regras sociais, religiosas e morais e consequências da quebra destas, incorrer em tal atitude ? Como ajuda-lo a aceitar seu erro, amenizar seu sofrimento ?
    Através da Psicanalise podemos preencher essas lacunas e ajuda-lo a equilibrar -se e a buscar o autoconhecimento.

    Responder
  172. Penso que no caso apresentado , o Ego está enfraquecido pelas forças do Id, assim o Inconsciente pode nos trair.
    Talvez se faça necessário uma abordagem que leve em conta o sofrimento de si mesmo e de outros.
    Reativar o Super Ego poder ser a saída.

    Responder
  173. nao controlando os impulsos do id , cai em devaneio , logo em seguida a pulsao de morte toma conta desse individuo que por nao ter um ego forte sofre as consequencias do ato sem equilibrio

    Responder
  174. Tendo como base os desejos irracionais proporcionados pelo ID, situação que levou Cláudio a cometer a ação descrita no texto. Pode se dizer que Cládio apresta uma quadro de manifestação somática, podendo assim, a psicanálise, exercida por um profissional especializado, buscar soluções psíquicas para o problema sofrido por Cláudio.

    Responder
  175. A psicanalise aponta sobre a importância do id e superego sendo o id responsável pelos nossos desejos mais primitivos e o superego um mecanismo de autopreservação agindo como um modulador do id.

    Responder
  176. Diante da situação apresentada seria importante o psicanalista ter uma conversa aberta com Cláudio para poder estudar e entender como poderia ajudá-lo da melhor forma possível, visto que diversos fatores podem ter acionado esse gatilho para traição. Durante esse levantamento seria inexorável saber como é a rotina de Cláudio no dia a dia, como é o convívio com sua família, como ele defini as relações íntimas dele e sua esposa, seria importante saber quais suas amizades mais próximas, pois o tipo de amizades podem ter sido gatilhos para despertar essa traição. Desse modo, o Psicanalista que estiver atendendo poderia compreender ID de Cláudio e ajudá-lo de forma estratégica e objetiva em seus conflitos internos.

    Responder
  177. A simbiose entre os irmão é genuíno, tanto que a separação causando uma imensa dor e estranheza em um deles.
    Contudo sua mãe logo direcionou ao caminho correto.

    Responder
  178. Ele Sedeu ao extinto mais primitivo, ou seja, o ID não se importa com as consequências, só quer satisfazer as vontades.

    Responder
  179. Sim foi um grande constrangimento. Deixando seu superego tomar decisões que pra ele não foi fácil resolver.com isso sua atitude tomada por uma decisão marcante trouxe a ele um grande conflito.

    Responder
  180. o Diálogo é de suma importância para o entendimento em um relacionamento. por isso a necessidade de terapias.

    Responder
  181. No minha opinião
    faltava alguma coisa neste casamento, digo isso porque quando tem amor e respeito no casamento não tem espaço pra uma terceira pessoa, no meu vê ele viu alguma coisa na amiga dele que esperava ver em sua esposa e acabou se entregando a está paixão ,sem pensar nas consequências, ou estava canssado do casamento e acabou se descuidando, um casamento pode está ruim das pernas mais se tiver amor lá na frente tudo pode ficar bem ,de repente ele estava passando por um momento de crise no casamento,

    Responder
  182. A rigidez de um superego repressor contra um ego frágil.
    O ideal contra o real.
    Pulsões de vida e de morte e pouca maturidade ( inconsequência) .

    Responder
  183. Cláudio cedeu ao desejo do id , o ego fez a análise dos prós e contras de sua atitude o superego confrontou suas atitudes trazendo desconforto psicológico que fizeram ele sentir culpa.

    Responder
  184. No caso Claúdio, vemos como o ID tem um poder avassalador quando é ignorado. Agora Claúdio precisa entender que fez parte do processo e que é não deve se martirizar pelo ocorrido. Não deve também dizer que estava certo para aliviar a culpa. Mas antes deve buscar o autoconhecimento para poder equilibrar as coisas.
    Quando o ID domina o individuo, o Superego usa-o como saco de pancada.

    Responder
  185. O id quer prazer o tempo todo, e faz e parte da nossa concepção humana, cabe a nos reagir positivamente ou não. No caso dele ele aceitou o ato de prazer, porém seu superego o deprimiu com conceitos morais impostos pela sociedade e família.

    Responder
  186. Por isso importante o autoconhecimento, porque na minha opinião a perturbação não vem de fora, mas de dentro do próprio ego, as experiências externas só nos mostra aonde estamos perturbados.

    Responder
  187. A traição pode ser algo além da traição propriamente dita, essa atitude pode estar ligada a uma insegurança, uma necessidade de autoafirmação e outros fatores recalcados durante a sua infância.

    Responder
  188. As lembranças do erro cometido que sacrificou aquilo que o EGO considera sagrado, se torna um “sugador” de energia, prejudicando-o em suas emoções e sentimentos, afetando até, sua saúde.
    Nesse caso o ID consegue vencer a barreira posta pelo EGO e SUPEREGO, onde o ID possa ter se aproveitado de uma idéia de vitmismo causado por situações no casamento que tenha se sentido injustiçado, assim se justificando diante da “tentação” para aceitar satisfazer o ID, ou apoio fora do casamento, de uma ideia comum que diz: ” Isso acontece com todos”, gerando um “relaxamento” sobre os avisos do EGO e SUPEREGO de que ele mesmo não era diferente dos demais, cometendo o erro.

    Responder
  189. Mesmo o Super-Ego tendo alertado ele deixou seus valores e crenças de lado movidos por um desejo intenso.
    Muitos homens podem valorizar mais o ID por achar trata se masculinidade, quando realmente precisam reativar o Super-Ego, valorizando a moral e os bons costumes.

    Responder
  190. O id foi mais forte e passou por cima do ego e superego, pois o desejo, a sedução e o prazer foi mais relevante no momento, sem ter nenhum tempo de raciocínio, porque o superego deixou passar sem aprovação e muito menos chegar ao ego, foi uma ação sem pensar no limite das consequências das frustrações futuras.

    Responder
  191. Como revela o próprio caso, o ID torna-se dominador sobre um Ego e Superego ignorados e por fim enfraquecidos. Assim, é interessante notar que sua angústia e isolamento após a traição revela a existência de alguns mecanismos de defesa que estão ali despertos, ou seja, apesar dos equívocos já cometidos, abre-se a possibilidade de fortalecimento de parte do aparelho psíquico antes ignorado e/ou enfraquecido.

    Responder
  192. Os fatores externos de adequação de comportamentos sociais o reprimiu após o ato, que era o seu desejo, o instinto pelo qual ele se deixou levar. Passado esse estado de prazer, ele entrou num estado de consciência em que ele se pune e tenta a todo custo esquecer o que aconteceu. Mas que no fundo sempre estará lá armazenado em algum lugar esperando o momento exato para sair novamente.

    Responder
  193. Desencontros psíquicos podem ocorrer. Nosso próprio julgamento que nos direciona as angústias ou libertações.

    Responder
  194. FELIZMENTE, SOMOS MUNIDOS DE SENTIMENTOS E CABE A NÓS A CONTROLÁ-LOS, MAS INFELIZMENTE, NÃO DEIXAMOS O SUPEREGO, QUE TRABALHA CONTRA TODOS OS DESEJOS TRABALHAR, DEIXANDO O ID SOBRESSAIR. POR MOMENTOS DE TENSÃO, O CLÁUDIO CEDEU À TENTAÇÃO. ESSA CONTRADIÇÃO O FEZ ENTRAR EMCONFRONTO COM SEUS VALORES PESSOAIS O LEVANDO A DEPRESSÃO.

    Responder
  195. As manifestações somáticas como, sentimento de culpa e depressão, foi resultado de um descontrole total de sua vida pregressa no trabalho, Agora ele passa pelo momento de reflexão do processo de desejo ou pulsão que procurou reprimir sem sucesso, infelizmente parece um uma experiência dolorosa e sem solução, olhando pelo campo da racionalidade; Neste momento a psicanálise surge como agente sublimação para tornar estes comportamentos menos dolorosos.

    Responder
  196. Segundo a psicanálise, os distúrbios psicológicos surgem quando há conflitos entre o Id, Ego e Superego.
    Para que ocorra o equilíbrio psíquico o tripé deve trabalhar em conjunto.
    O desequilíbrio originou os distúrbios psicológicos e desajuste da personalidade.

    Responder
  197. A paixão pela outra deve ser pela falta de amor por sua esposa. A parte da pesada cobrança do EGO e SUPEREGO está relacionada à sua educação na infância: certamente pesadas consequências de alguns poucos comportamentos durante a infância ou fortes desejos, ainda na infância, de mal contra um dos pais.

    Responder
  198. Eu acredito que houve um certo arrependimento no Cláudio após ele ceder aos caprichos do id,teve depressão possível isolamento,situação que o terapeuta irá estudar e desenvolver a saída!

    Responder
  199. Neste caso,cláudio não tinha conhecimento de sí mesmo,o autoconhecimento,alimentou seu consciênte pelos desejos de natureza humana,não se propôs a buscar uma ajuda pois o mesmo estava tomado pelo id,e só se satisfaria a sua vontade de sentir-se bem quando colocasse em prática o desejo,mais não tinha como compreender o que a reação ira lhe causar,e hoje se culpa e adoeceu simplesmente pelo fato egoísta de raciocinar,vai lhe causar alguns danos sim,de esfera psíquica,por que o desejo passou,foi consumado a traíção e agora os seus valores vão lhe cobrar intensamente,concluindo,conhece a ti mesmo!,neste caso é o Claudio mas na vida real tem muitos Claudios por aí.

    Responder
  200. o id direciona aos instintos primitivos, nesse caso o id venceu o ego e o superego, causando um desiquilibrio e trazendo um resultado ruim para ele.

    Responder
  201. É importante ressaltar que a mudança de comportamento não acontece rapidamente, requerendo um processo terapêutico contínuo e o envolvimento da família e dos responsáveis.

    Responder
  202. Os distúrbios surgem quando há conflitos, por isso é importante manter um equilíbrio e trabalhar seus valores norteadores

    Responder
  203. Realmente houve um conflito de ego, id e superego demonstrando falha de personalidade ou caráter. O sentimento de culpa surgiu por causa de sua religiosidade ao se conflitar com situação de pecado e porque magoaria sua esposa. Por consequência de sua atitude/ação ficou com depressão já que a traição foi o estopim de outros fatores de sua vida pessoal e conjugal que provavelmente não estava tão boa.

    Responder
  204. Falta de controle emocional, e uma identidade fragilizada podem desencadear ações como essa. Infelizmente Claudio cedeu a pressão externa e ignorou os inúmeros avisos internos baseados em seus valores.

    Responder
  205. Uma nítida acentuação descontrolada do Id, não permitiu ação ajustadora do Ego levando o individuo a tal atitude, sem medir quais consequências ele realmente poderia suportar.
    penso também que possíveis questões de casamento nao justificam tal atitude quando a pessoa tem um bom conhecimento de si mesma e uma ação harmoniosa do ID, ego e Super ego. Relacionamentos infelizes podem ser resolvidos de outra maneira ou encerrados antes de partir para a traição.

    Responder
  206. O auto conhecimento é uma ferramenta importante que nos possibilita nos entender e usar a inteligencia emocional da melhor forma.

    Responder
  207. houve de fato um conflito levando a depressao porem talvez nao seja a traição motio de tudo e sim conflitos anteriores que o tenha levado a relacionar se com a colega de trabalho sendo apenas a gota d água deste balde.

    Responder
  208. Por isso que o autoconhecimento é algo tão importante. O gerenciamento de si mesmo é um fator determinante para uma vida equilibrada.

    Responder
  209. Através da Psicanálise podemos compreender esse comportamento. O porquê de o Ego e o Superego serem, nesta situação vendidos… …levando a tal comportamento. Uma investigação a cerca de sua história, experiência vividas, será fundamental para entender essas pulsões cuja qual não se têm controle total, o que resultou em depressão.

    Responder
  210. Existe vários motivos que leva a pessoa a cometer atos visto como errôneo pela sociedade. Os motivos são certos? Os motivos são errados? Não se sabe, pois muitas vezes ficam preso do ID. São desejos, não só carnais, mas como desejos suprimidos de algo que ele não consegue ver. Está lá, no inconsciente, que infelizmente podem se manifestar de forma errada. Nem tudo é mal caratismo, é falta de índole, as coisas da vida não são apenas 1+1=2, “fez coisa errada? ele é ruim”, “fez coisa certa? ele é um anjo”. É preciso enxergar como o todo, ter autoconhecimento e por isso existe psicanálise para te ajudar a acessar esses níveis tão escondidos e ver o que pode estar de “errado”, ou faltando em sua vida.

    Responder
  211. Claudio definitivamente agiu apenas com seus instintos, e neste caso sabemos que o ID é responsável pelos instintos, impulsos orgânicos e os desejos inconscientes. O id não tem contato com a realidade, pode se satisfazer na fantasia, mesmo que não realize uma ação concreta referente aquele desejo, e por isso as consequencias geradas após este fato o levaram a depressao e a angústia sabendo que não se pode mais consertar o passado, ele deve elaborar ideias e sentimentos que possam ajudá-lo a compreender o motivo de de ceder ao desejo uma vez que ele tinha parâmetros e medos consistentes em relação a isso.

    Responder
  212. Penso que seu ID estivesse fraco e ou entediado a ponto de ser um motivador para que o Ego impulsionasse seus desejos obscuros. Desejos que trouxeram consigoum Superego que talvez não saiba o que foi pior, se a traição à esposa ou a traição a si próprio. Um gatilho justificável para depressão apresentada? Talvez sim… talvez não… A resposta está em Cláudio, inclusive o motivo pelo qual tudo se deu. Resta uma imersão investigativa no seu mais profundo eu. Isso poderia ajudá-lo, poderia sim.

    Responder
  213. Ao parecer, Cláudio tem uma fixação na fase do eu prazer purificado, ou seja do narcisismo. Ele não tem um desenvolvimento do pré consciente que permita a ele uma reflexão, ou seja que ele não tem um ego suficientemente estruturado, um id que possa refletir, fazer uma transacção entre as demandas do id, as demandas do superego e as demandas da realidade. Ele é impulsivo e seguramente transgressor também.

    Responder
  214. Claudio deu vazão ao ego não levando em consideração os princípios morais adquiridos, os quais, nesse sentido, demonstram não estar totalmente solidificados. O id foi mais rápido e se instalou, levando o individuo a cometer a traição. As consequências do seu ato vieram, em seguida, provocando a depressão. Esta doença deve ser tratada imediatamente para que o individuo não venha a cometer atos contra a sua própria vida, como por exemplo o suicídio.

    Responder
  215. os pressupostos denotam uma situação na verdade submetida há um domínio feito pelo ide que faz com que o ser humano não tenha uma escolha concreta do que fazer , o subconsciente se vê aprizionado no desejo alucinado da paixão o problema é não saber o porque se faz tal coisa. o super ego age sem forças para que haja mudanças e assim o final do ser humano é ser a própria depressão propriamente dita.

    Responder
  216. Claudio ao conviver diariamente com Andréa,teve tempo pra digerir pensa e repensar nos seus desejos e nas consequências deles,e ao dar lugar a esses desejos e por tudo que tinha de preciosa a perder,não se encontrou mais,se perdeu dentro de si e viu demoronar as pessoas que o amavam a família,e foi tomado pelo culpa,o remorso de ter colocado tudo a parder.
    Neste caso é leva lo a pensar o que ele procurava ,como estava seu casamento,e trabalhar em libertar da culpa ,e apartir daí retomar suas emoções .

    Responder
  217. Quando o Ego e Superego permite a traição ficou recalcado no inconsciente e isso se manisfestou com uma depressão, eu acho que é isso.

    Responder
  218. “Não se entra duas vezes no mesmo rio”. O homem ele é o momento (de modo geral homem/mulher), num momento ele é uma coisa e em outro momento outra pessoa. Não querendo defender, mas vendo de um outro prisma… Fernando Pessoa dizia: Será que só eu sou vil e errôneo? Todos estamos sujeito a isso, por causa do Id. Os sentimentos são perigosos, mesmo nos conhecendo um pouco, somos uma terra desconhecida.

    Responder
  219. Por um momento ouve um desequilíbrio entre os três elementos psíquicos ( id , ego e superego). Razão pela qual o id se sobre pós aos demais levanto a traição, posteriormente , tomado pela consciência veio a razão o fato da traição e posteriormente o superego veio levanto au sentimento de culpa e consequênte depressão.

    Responder
  220. Esta situação mostra que nossos valores devem estar acima dos nossos desejos, por mais fortes que eles sejam. sempre tive comigo que; toda ação gera consequencias, se as ações forem corretas as consequencias serão boas, mas se as ações forem incorretas as consequencias serão ruins.

    Responder
  221. Infelizmente o que está feito não pode ser mudado, ele deixou com que o id sobresaisse sobre o super ego assumindo o risco.
    O arrependimento ocasionou a depressão.
    Basta ele fazer de tudo para reparar o erro é o dano causado ao seu matrimônio

    Responder
  222. Como Augusto Cury cita em um de seus livros, nem tudo o que pensamos é verdade, o que nos leva a pensar que, se não controlamos nossos pensamentos, eles podem passar a nos controlar, levando-nos a concretizá-los em situações que mais tarde poderão se tornar desfavoráveis para nós, uma vez que, como na situação acima vista, resultou em danos psicológicos que podem evoluir para consequências conjugais, sociais, profissionais e etc.

    Responder
  223. Interessante .
    Eu estava lendo os comentários é interessante como alguns parece responder com uma propriedade pessoal como se já tivesse vivo ou viem o personagem Claudio ou esposa.
    Poucas respostas descreviam o por que isso aconteceu, motivo, razão.
    Algumas reposta eram tão agressivas que parecisa a esposa de Claudio falando. Acredito que aprendi mais com os comentários do que com a história de Claudio em si.

    Responder
  224. Como comentado acima pelo Rogério, os nossos valores devem estar acima de nossos desejos.
    Algumas pessoas, porém, são compulsivas e agem pelo instinto do prazer, muitas vezes, sabendo que estão erradas.
    É preciso entender o Id e controlá-lo. Para isso, é aconselhável um acompanhamento de um psicanalista.

    Responder
  225. Movido pelo princípio do prazer o id é a parte da mente que quer gratificação imediata de todos os seus desejos e necessidades. Em busca de suprir essas necessidades Cláudio se deixou levar pelos impulsos e após isso veio o sentimento de culpa pelo ato cometido ocasionando na angústia e depressão.

    Responder
  226. mesmo sabendo que estava errado, ele ultrapassou as barreiras, agindo pelo desejo do ID, sofrendo as consequências emocionais.

    Responder
  227. A palavra de Deus nos mostra , o que o homem plantar ele o colherá GL 6:7-10
    Sendo assim andai em espírito ( observando o ego e o superego ) e não cumprirá as consequências da carne ( ID ) GL 5:16

    Responder
  228. Eu entendo que há algo no incosciente que fez com que ele tomasse tal atitude , medo trauma na sua infância.
    Acredito que responder a grosso modo é como se afogar no raso.
    Tem muitas coisas por trás disso! e a maioria vem de situações familiares .
    Temos que entender que não somos juizes e sim analista da situação em si.

    Responder
  229. Percebemos com isso que o ser humano é muito mas complexo do que imaginamos. Dos três elementos que que compõe o aparelho psíquico, o mas perigoso é o id que precisa ser controlado pelo demais.

    Responder
  230. Acredito que somos apresentados a “tentações e transgressões” em toda nossa vida, alguns tem a “capacidade/habilidade” de não cair, outros não conseguem. E sabendo que toda ação tem uma reação. Todo ato tem consequência, nesse caso, as consequências morais interiores o levaram ao quadro de isolamento e depressão.

    Responder
  231. Cláudio cedeu ao seus impulsos moralmente censuráveis (ID) cedendo a paixão pela colega de trabalho e agora sofre com a autopunição desencadeando uma depressão e isolamento. Cláudio deveria buscar através da análise autoconhecimento para verdadeiramente identificar o que o levou ceder à paixão: não ama mais sua esposa como antes? Ama sua esposa mais deseja viver um outro estilo de vida que não cabe em uma relação monogâmica? O amor se transformou de Eros (sexual) para Philia (amizade)? Essas e outras respostas somente Cláudio poderá responder.

    Responder
  232. Imdependente de nossas convicções, temos que eleger uma postura que condiza com os aspectos comportamentais que primem pela justiça, pelo humanismo solidário, garantindo aos que convivemos nossa integridade uma relação forte e verdadeira.

    Responder
  233. Os seres humanos são movidos por impulsos de curiosidade por mais que os conceitos de Claudio tivesse princípios o Id falou mais alto devido talvez por sua posição social e após o ato veio a frustação de não ter sido algo tão prazeroso ao ponto de ter manchado os seus principios

    Responder
  234. O id foi mais forte, o mesmo cedeu aos desejos, mas houve espaço para o arrependimento. E depois de se arrepender, provavelmente instalou-se a depressão.

    Responder
  235. Este caso nos mostra claramente que o ID sem a sublimação nos transforma em irracionais movido por instintos que quase sempre trazem consequências muito danosas a vida social, religiosa como um todo.

    Responder
  236. Paixão, desejo, são forças do ID, assim sendo, a experiência de traição, e punição que se aplicou a si mesmo desencadeou outros gatilhos como apego a fatos do passado que fez com que ele entrasse em depressão.

    Responder
  237. Provavelmente,um relacionamento onde acaba o diálogo por motivos vários no decorrer dos dia e anos de problemas não resolvido,jogado pra debaixo do tapete,uma hora a insatisfação tanto de um como de outro pode dar brechas para o id tomar conta da personalidade,e com aval da argumentações que racionalmente pode parecer razoável abre brecha para que o id burle todo sistema de segurança agindo assim sem pudor,e logo depois podendo haver um arrependimento por atos cometido sem a devida atenção dos avisos do ego.

    Responder
  238. Infelizmente Claudio ouviu o seu ID , que não se importa com as consequências de suas atitudes momentâneas e traiu a esposa, mas imediatamente após fazer isso seu sentimento de culpa veio a tona pelo fato de não ter conseguido controlar sua impuldividade e dar ouvido apenas ao ID. E quando isso acontece, infelizmente temos que lidar com as consequências, que na maioria das vezes são desastrosas.

    Responder
  239. Os valores e as virtudes morais se perdem, quando o ego se posiciona como o instinto incontrolável, contra os limites estabelecidos pelo superego.

    Responder
  240. A culpa por se deixar dominar pelos instintos e desejos do ID pode ser devastadora. O super-ego muito rígido e religioso ao extremo pode arruinar a vida de qualquer pessoa. No caso em questão, Claudio deveria primeiramente se responsabilizar pelo que fez e tirar lição do que aconteceu. Caso não tenha sido descoberto e não tenha condições de contar a sua esposa, deveria ter em mente que todo mundo pode errar e se consertar, não repetindo o mesmo erro e seguindo em frente, se policiando para não haver outras traições. Mas caso seja descoberto ou sua culpa seja grande ao ponto de não ficar calado, ele pode então conversar com sua esposa, assumindo seu erro e futuras consequências em seu casamento. É um caso complexo que só ele mesmo poderá tomar a melhor decisão para todos. Cada circunstância é única.

    Responder
  241. A depressão é um sintoma oriundo de alguns sintomas importantes. a angustia é uma delas. A angustia é fruto desta relação psquica entre o ID e seus instintos primitivos e potente em energia, o EGO que procura frear por meio dos valores assimilados pelo meio e o SUPEREGO. Observa-se que a crise entre entes e a ação tomada gerou poderosa angustia no paciente que não podendo resolver de forma consciente acabou deprimido.

    Responder
  242. O comportamento de Cláudio mostra uma pessoa extremamente egoísta, instintiva e sem domínio próprio. Apesar dos avisos intuitivos do ego sobre os perigos de ser descoberto e as consequências que viriam, apesar de sua consciência moral julgar errado, ele seguiu seus instintos, e após ter saciado seus desejos, isolou a predominância do id, para deixar-se levar pelo processo de culpa.
    Isso sucede a muitas pessoas, que em razão do instinto fazem diversas escolhas que não fariam normalmente, e que por supremacia do id sobre o ego e o superego deixam que o arrependimento venham tardiamente e não sabendo oque fazer, entregam-se a depressão e aos processos de culpa, autodepreciacao e autopunicao.
    Isso requer terapia autoperdao autoconhecimento e busca de soluções com exercícios interpessoais

    Responder
  243. Em suma, o Id, o Ego e o Superego são os três componentes da formação da personalidade. São as representações da impulsividade, da racionalidade e da moralidade, respectivamente. A psicanálise favorece o contato com o inconsciente, que é o meio para compreender seu comportamento e a forma como se expressa na sociedade. A psicanálise é um método que pode transformar vidas, sendo que todos podem se beneficiar dela

    Responder
  244. Além de alimentar desejo inapropriado ,e acabar cedendo,mesmo sabendo dos riscos e de ser algo inaceitável dentro da sociedade, a pessoa é impulsionada por diversos fatores . Dizem que a grama do vizinho é a mais verde, muitos projetam a felicidade ou a emoção da vida na realidade aparente dos outros , e muitas das vezes a falta dos valores e de enxergar os mesmo em sua própria vida ,fazem as pessoas verem virtudes somente no campo alheio.
    Sem julgamentos de caráter,mas quando algo acontece,são várias situações que constroem este caminho.
    O autocontrole é o freio da vida,e tem que ser usado de forma coerente,pois ,mesmo que todos sejam tentados a ceder a impulsos, o julgamento pessoal tem que ser colocado em prática, inclusive por autopreservação e questões morais e de direto.

    Responder
  245. O indivíduo precisa ter um ótimo autoconhecimento, para tentar frear o, as vezes descontrolado e insaciado desejos do ID. Muitas vezes é necessário intervensão psíquica, para não ter problemas maiores no futuro. A sociedade tem a necessidade de acabar com todo e qualquer preconceito quem venha a ter com esses profisionais.

    Responder
  246. Ao ser levado pelo desejo instaura em si uma luta entre o id e o ego que levam a viver esse conflito interior que instauram em sim a punição.

    Responder
  247. Esse fato aconteceu comigo, sendo extremamente difícil de lidar. Pois em nenhum momento deixei de gostar da minha namorada, mas a paixão por outra pessoa aconteceu. É um sentimento avassalador e sendo um estado de doença, sei que é passageiro, mas é gostoso a sensação de saber q vai ver a pessoa, traz de volta uma motivação adormecida, pois queremos estar bonitos, com um bom perfume e a vaidade aumenta. eu tinha certeza q não iria acontecer nada além disso, mas tive que trabalhar a mente pra não ficar preso em pensamentos por esta pessoa. E o fato de estar estudando psicanalise tem me ajudado bastante assim como a terapia que faço semanal.

    Responder
  248. Passa a impressão que o ID nos força a cometer atos, que sabemos estar errados, e depois ele (ID) se coloca de canto so para assistir o quanto podemos conviver com o problema e qual a capacidade de resolver.

    Responder
  249. isso pode ocorrer devido aos conflitos entre o id (impulsos e desejos), o ego (consciência racional) e o superego (moral e valores). O tratamento envolveria explorar esses conflitos e trabalhar na resolução da culpa, angústia e depressão.

    Responder
  250. quanto mais o individuo for dominado pelos impulsos do ID, mais inconsciente de seus atos ele será, caindo num circulo vicioso sem fim.

    Responder
  251. Acredito que ele não tenha conseguido lidar com o sentimento de culpa que tomou conta de todo o seu ser. Aquilo que durante um tempo fazia bem e era prazeroso com o tempo começou a consumi-lo. E como ele não foi capaz de assumir o erro pelo caminho tomado, a depressão tomou conta dele.
    Ele deve procurar ajuda, e assumir suas responsabilidades pelo caminho escolhido.

    Responder
  252. A um triangulo de id ego e superego onde o parâmetro é distribuído por um força de vontade da potência. Uma mediação paradoxal.

    Responder
  253. Nesta situação podemos perceber a importância de psicanálise, e do auto conhecimento. Pois muitas atitudes tomadas por impulso, pode prejudicar a saúde física e mental.

    Responder
  254. na perspectiva psicanalítica, a traição e o sentimento de culpa associado a Cláudio podem ser explorados e compreendidos de várias maneiras. Conflito entre o id o ego e o superego: a traição pode ser vista como um exemplo de conflito entre o ide (que busca a satisfação imediata dos desejos e impulsos) o ego (que tenta equilibrar os desejos do ide com as demandas da realidade) e o superego (que internaliza os valores e normas morais). Cláudio pode ter cedido aos impulsos do ID ignorando os valores do casamento e as consequências emocionais e sociais da traição. A traição muitas vezes leva a um intenso sentimento de culpa e angústia. O superego, como a instância moral, pode reagir fortemente a traição, gerando um sentimento de culpa intenso. Esse sentimento de culpa pode ser agravado pela percepção de que Cláudio traiu seus próprios valores e compromissos entrando assim em um processo de luto e depressão.

    Responder
    1. Ele deixou se levar pelo ID (desejo), porém, por não se conhecer/ser imaturo, não levou em conta as consequências de suas ações, Ego: com suas perdas e com a cobrança do Superego pela decisão errada. Em todas as decisões lá estão, o Id, o Ego e o Superego em conflito.

      Responder
  255. O superego não teve filtro suficiente para barrar o desejo proporcionado pelo id, nesses casos, na psicanálise, deve ser trabalhado a auto estima, para fortalecimento do ego.Talvez no caso do Cláudio, esta culpa se transformou em um mecanismo de defesa para que a ação não se transforme em comportamento repetitivo.

    Responder
  256. A Situação descrita parece um dilema emocional e ético para Cláudio .Vamos analisar algumas possíveis abordagens e consequências .

    Responder
  257. Dialogo e Transferência :
    Cláudio poderia optar por ser transparente com sua esposa sobre seus sentimentos em relação a Andrea .
    O dialogo aberto e honesto pode ser difícil ,mas é uma maneira de lidar com a situação de forma ética, permitindo que ambas as partes tomem decisões informadas.

    Responder
  258. Reflexão Interna :
    Ates de tomar qualquer decisão , Cláudio pode se autoquestionar sobre o motivo de seu interesse em Andrea. Ele deve avaliar se é uma atração passageira, se a problemas em seu relacionamento atual que precisam ser resolvidos ou se é apenas uma situação temporária.

    Responder
  259. Levando em consideração a teoria Freudiana o sujeito teve um comportamento que pode ser interpretado através do Id, Ego e Superego. O id representando os desejos primários , o Ego tenta trazer o equilíbrio lembrando ao id as demandas da realidade e o superego age lembrando do compromisso com a esposa, filhos e sociedade. Quando ele sede ao desejo do id mantendo um relacionamento com a colega vai contra as regras do superego. Enfrentando dessa forma imensa culpa, culminando desta forma na depressão, que foi gerada pelo conflito psicológico. Então na perspectiva psicanalítica de Freud, a traição desencadeou o sentimento de culpa levando ao conflito entre id, ego e superego. A depressão pode ter surgido devido ao choque entre os desejos não controlados do id e as normas morais internalizadas pelo superego.

    Responder
  260. O id e algo que o se a pessoa não estiver suas conviquisções alicerçadas ele vai seder para o erro que trara serias concequencias

    Responder
  261. O id tenta realizar seus desejos a todo custo não observando a possibilidade de punição por uma ação ruim que foi no caso a cima teve grandes puniçoes como a depressao e o isolamento.

    Responder
  262. O Id representa a parte mais primitiva e instintiva da personalidade, buscando a satisfação imediata dos impulsos e desejos. No contexto da traição, o Id pode estar associado a impulsos sexuais, a busca por novidade ou a necessidade de gratificação instantânea.
    A traição pode ser vista como uma forma de lidar com ansiedades, carências emocionais ou conflitos não resolvidos. O ato de trair pode servir como uma fuga temporária dessas questões subjacentes, mesmo que gere consequências negativas a longo prazo. Que foi o que ocorreu com o Claúdio.

    Responder
  263. O autoconhecimento do eu, das consequências do impulso do id, poderiam ter evitados traições e doenças, como a depressão.

    Responder
  264. A teoria do ego, id e superego é uma parte fundamental da psicanálise de Freud. Esses conceitos ajudam a explicar como a personalidade se desenvolve e como as forças psicológicas internas interagem para moldar o comportamento humano. É importante notar que muitas teorias modernas da psicologia criticaram e adaptaram esses conceitos, mas a influência da psicanálise ainda é reconhecida.

    Responder
  265. Neste caso Claudio foi dominado pelos desejos provocados pelo ID dentro de um ambiente de trabalho, e sentimentos reprimidos fazem parte do ID, nesse contexto Claudio não se controlou e consumou o fato, gerando sentimentos de culpa e depressão.

    Responder
  266. Claudio, persuadido pelos conflitos do Id, deixou-se levar pelos impulsos e desejos, deixando de lado os valores morais e sociais (superego). Com a traição, caiu num mar de culpa e arrependimento, vendo seu casamento desmoronar. Assim, o superego se faz presente ao perceber de todos os valores morais foram desaparecendo, caindo assim em uma intensa depressão e desprezo por si mesmo.

    Responder
  267. O ser humano, através de seus desejos e vontades se torna insustentável e por isso é necessário que aprenda a se dominar, a buscar o equilíbrio para controlar os seus desejos e emoções, e quando ele não sabe fazer isso, cai numa armadilha criada por ele mesmo.
    O ID quer saciar os prazeres e desejos da pessoa, e embora o EGO e o SUPEREGO tentem avisá-lo do erro que cometerá, a pessoa alimenta sua imaginação e comete o ato para se satisfazer momentaneamente. Depois do ato cometido, vem então o sentimento de remorso que é alimentado por ele mesmo, através de pensamentos e sentimentos de culpa, medo, vergonha, raiva de si mesmo pelo ato cometido etc e esses sentimentos o dominam e derrubam se manifestando em forma de depressão, tristeza, angustia, ansiedade etc

    Responder
  268. A culpa em si está sendo repostas do superego, uma vez que a nossa cultura se estruturou em um modelo de relacionamento monogâmico.
    Talvez se não tivéssemos essa cultura, o indivíduo não estaria mergulhado em culpa. Seria apenas pulsos do Id.
    Seu adoecimento se deu a cultura e repressão social, se estivéssemos inseridos em outro modelo social, isso não seria um gatilho tanto ao Eduardo, quanto a família que sofreu de suas atitudes.

    Responder
  269. A culpa, trazida pelas crenças trouxe a angústia e não o reconhecimento de que não agiu de forma “adequada” a sociedade em que vive e com os princípios e valores adquiridos ao longo da vida.

    Responder
  270. A “sensação” do que falta, após saciada, dá notícias do quão ilusória é, não por ser irreal, por ser parte não considerada.

    Responder
  271. Vemos que o id falou mais alto nessa questão. Porém as causas não foram especificadas, como por exemplo, se estava em crise no casamento, afastado de Deus ounde sua crença religiosa, entre tantos outros fatores que poderiam facilitar sua atitude.

    Responder
  272. Id..A necessidade de satisfazer o seu ego da com que muitos a primeiro momento sene e-se realizados.
    Após vem o sentimento de arrependo e culpa.desencadeando assim crises de insônia, ansiedade, frustrações e muitas vezes levando a uma depressão profunda.

    Responder
  273. O personagem Cláudio tinha anteriormente predominância em sua personalidade do ego e do superego, provavelmente sua paixão pela colega de trabalho se deu pelo jogo de sedução dela e do fato da mesma não compartilhar com a moralidade exercida por ele, como já se diz ” a carne é fraca” o tratamento do cláudio poderia se dar o convencendo que a culpa não foi dele, mas sim da colega o ter seduzido sutilmente e ter-lhe provocado os desejos mais primitivos.

    Responder
  274. Ao ver a situação de Cláudio ouvi um conflito entre o ego e superego, foi vencido por seu Id fez ele agir por impulso tomando uma decisão indesejada que levou depois ao consciente de sua ação levando ao isolamento e a depressão

    Responder
  275. Talvez já existia situações por trás disso tudo ,que o deixaram aberto a querer fazer isso, e o id (sendo irresponsável do jeito que é) levou ele a concluir seu impulso .

    Responder
  276. É por isso que devemos ajudar as pessoas á pensar aquilo que elas não sabem pensar.Os psicanalistas são facilitadores .Um adolescente dos 10 anos aos 21 anos está em formação de caráter ,se nessa fase ele somente fazer o que é ruim,na fase adulta não se pode esperar atitudes boas de alguém que teve o caráter forjado na maldade .

    Responder
  277. Acima vemos a história do senhor Cláudio que não consegue dominar o seu ego e sede a uma traição que o destrói mais tarde.O super Ego dele dizia :Não.Mas o ega dizia sim,eu quero.As consequências de um decisão errada pode levar á depressão.

    Responder
  278. Tinha tudo uma familia maravilhosa uma vida profissional mas realmente faltava algo algum desejo reprimido que faltava sair muitas das vezes o que nos quardamos e nao liberamos acaba que nos agimos pelo impulso uma boa conversa muito ajuda a liberar o que sente de verdade .

    Responder
  279. O super ego pode ter entrado em conflito com o id e o ego, buscando equilíbrio saudável para a personalidade dele, o psicanalista pode trazer essa consciência auxiliando no processo .

    Responder
  280. Vemos um cenário de um homem com desejo desordenado e o ID prevalecendo em seu comportamento. Na teoria de Freudy aprendemos que quando os ítens do aparelho psíquico entram em desacordo acontece um transtorno no ser humano, transtorno esse que fez com que Cláudio executasse uma ação em que traria consequências ruins pra ele.

    Responder
  281. O desejo intenso do Cláudio falou mais alto. E esse impulso foi incapaz de avaliar e não ter tido a traição de fato . O nível da inconsciência estava muito elevado ao consciente que lutava para isso não acontecer.

    Responder
  282. …precisa dominar o ( EU) interior para ter uma vida plena e eficaz, e um cognitivo bem estruturado com uma familia estruturada o individuo vira um adulto responsável pessoalmente e profissionalmente. mas a tecnologia atual esta prejudicando os lares e fazendo com que as familia fique mais distantes dos proposito que é o crescimento da familia como um todo.

    Responder
  283. O id e o superego entraram em conflito portanto obtera a sublimação dos impulsos do id. Os princípios foram questionados após os atos mesmo analisando as consequências anteriormente. Onde a pulsão de morte, ou seja, se isolando e culpado. O aparelho psíquico em conflito demasiados, é onde comporta as neuroses, psicoses e perversão.

    Responder
  284. Emocionante o ser humano muda seus conceitos devido a sociedade, as vezes o que quer ser feito por vontades próprias não é o que a realidade social quer , então somos escravos da sociedade seus conceitos, isso impede nós sermos nós.

    Responder
  285. Acredito que já existia algo por trás desse sentimento de querer sair com outra pessoa, algo que talvez faltasse em seu casamento e que talvez desse para consertar mudando alguns hábitos, ou não. Mas ai vai de você pensar no que você realmente quer para a sua vida. Muitas vezes as pessoas só não conseguem pensar exatamente no que elas querem para si a acabam por se deixar levar pelas emoções. Daí a importância de se conhecer e entender seus sentimentos, vontades e emoções.

    Responder
  286. Desenvolver auto conhecimento e domínio próprio, pode ser essencial em elaborar decisões muito mais racionalizadas do que impulsivas.

    Responder
  287. O id sempre na busca do prazer e sempre evitando àquilo que ñ lhe da prazer, colocando o paciente em problemas psicológicos no futuro

    Responder
  288. Boa Tarde
    O id fez a parte dele, consequentemente os impulsos e o instinto da paixão falaram mais alto.
    Ai na disputa da razão versos paixão entra o ego e tente equilibrar a situação toda, buscando a segurança do individuo.
    E para finalizar chega e o superego que são os valores e regras morais e, nesse momento ele lembra da esposa e filhos porem… no campo de visão ele vê a pessoa em que esta apaixonado, ali no trabalho o tempo todo, suponho que seja mais tempo em que ele fica em casa.
    Pronto! O Id deu a cartada final onde o impulso da paixão e o instinto venceu o superego.

    Responder
  289. Um caso de conflito entre o id e o Superego.
    O que nos leva a deixar com que os instintos primitivos prevaleçam contra a chamada moral e a ética?
    Esse conflito vem da falta de orientação? Da formação da sua “personalidade”? De conflitos com a esposa? Qual a diretriz proposta para o tratamento de Cláudio?
    Só conseguiremos focar com as devidas sessões analíticas…

    Responder
  290. Cláudio no momento dos impulsos cedeu a suas vontades e não pensou nas consequências futuras. Pois sua criação, cultura e sociedade trás em sua memória de que seu ato foi errado.
    Conscientizando ao ponto que chegou trouxe lhe sobre si desgosto e depressão.

    Responder
  291. o mundo hoje está dominado pelo id. As pessoas não estão preocupadas com as consequências e sim com o prazer do momento. devido isso os resultados tem sido desastrosos e devastadores. assim como foi para nosso personagem.

    Responder
  292. AGORA PRECISAMOS AJUDAR CLAUDIO ,A CONVIVER COM ESSA CULPA DE FORMA PASSIVA NA QUAL NÃO AJA TRANSTORNO ACEITA
    QUE NÃO PODE MUDAR O QUE JÁ FOI FEITO MAIS ACEITAR AS CONSEQUÊNÇIAS .

    Responder
  293. Impulsos sobre Cláudio advindos do Id, fizeram com que ele se entregasse à paixão momentânea e deixasse de lado temporariamente os seus princípios e valores.

    Responder
  294. A depressão, angustia e isolamento de Claudio vieram pelo sentimento de culpa, não só por ter traído a esposa, mas por ter traído seus valores e ter sido levado por seus instintos. Talvez tenha reprimido seus instintos (ID) devido a alguma crença limitante e isso o fez pular uma fase de sua vida, deixando seus desejos e vontades num nivel inconsciente. Ao se apaixonar colocou em questão suas crenças valores, moral conflitando superego e ego, deixando vir a tona comportamentos reprimidos.

    Responder
  295. No meu entendimento, quando o id toma as decisões na vida de uma pessoa,está pessoa teve pais muito permissivos que não souberam impor limites na vida dele e aí ele vive na pulsão do id ,A parte que tem o comportamento mais arcaico. o indivíduo continua no narcisismo primário, onde agente só tem olhos para nós mesmos ,tudo gira em torno de nossos desejos ele só faz o que ele quer não se importando com o bem estar do outro.

    Responder
  296. É bom saber como tudo acontece no psíquico, a dúvida agora é , o que fortalece o id?
    Eu acredito nesse caso , que esse homem alimentou esse desejo de alguma forma.
    Poderia ter evitado.

    Responder
  297. Na dependência química, é chamado de “rei bebê”. Quando a pessoa age cegamente por impulso em prol de obter sua “recompensa” sem pensar ou ignorando as consequências.

    Responder
  298. Foi dominado pelo ID, em alguns momentos o ego conseguiu faze-lo notar
    as consequencias, e o superego fez com ele se julgasse ao ponto de desenvolver depressão.
    Caso bem comum hoje em dia!

    Responder
  299. Claudio está passando por depressão, angústia e isolamento devido ao sentimento de culpa, não apenas por ter traído sua esposa, mas por ter traído seus próprios valores e cedido a seus instintos. É possível que ele tenha reprimido seus instintos devido a crenças limitantes, o que o levou a ignorar uma fase importante de sua vida, deixando seus desejos e vontades no nível inconsciente. Ao se apaixonar, ele se viu confrontado com seus valores e crenças morais, o que causou conflito entre seu superego e ego, resultando na manifestação de comportamentos reprimidos.

    Responder
  300. Boa noite!
    Talvez precisássemos conhecer a fundo outras questões sobre essa pessoa. A situação do casamento, a história dessa pessoa, as circunstâncias em que ocorreu a pulsão, o caráter, o narcisismo, etc.
    No caso, um indivíduo dominado pelo ID, precisa trabalhar o EGO , ou seja, dominar o instintos primitivos.

    Responder
  301. O equilíbrio entre o Id, Ego e super Ego, nós faz tomarmos boas decisões e vivermos longe dos perigos das nossas decisões

    Responder
  302. Nesse caso, vejo que esse homem, dominado pelo impulso do ID, sem medir consequências, talvez acostumado a fazer tudo sem medir consequências e por impulso, quando o Ego e Superego falou mais alto se sentiu envergonhado, agora que o Ego e o Superego mostrou com mais clareza suas decisões impensadas.

    Responder
  303. O paciente já deveria estar apresentando algum problema interno psicológico, como por exemplo a baixa estima ou enfrentando problemas no casamento , o que o fez dar abertura para a sensação de alegria e desejo proporcionadas pela paixão, porém após consumado o caso foi verificado por ele que o vazio que sentia não fora preenchido. A paixão passou e e o vazio continuou com acréscimo da culpa e da depressão

    Responder
  304. Cláudio teve o domínio do ID sobre o Ego e acabou cedendo aos seus desejos. Agora temos que ouvir o analisado para saber como estava seu relacionamento e quais motivos que levaram a realizar a traição. A escuta profissional vai dar respostas complexas que irão permitir que profissional crie um ambiente para o Cláudio superar suas angústias. Tentar superar o trauma da traição, decepção e as consequências dos atos praticados.

    Responder
  305. Entendi que podemos USAR o mecanismo de defesa , ou seja, a sublimacao para evitar atitudes devastadoras, nos Momentos de conflitos entre o id, o ego e o superego.

    Responder
  306. O dominio da ID e algo assombrador, muitas vezes devemos evitar o mesmo ambiente que nossa tentação está. um exemplo esta em Jose, sempre fugindo do mesmo ambiente, pois o ambiente pode nos influenciar, no caso dele deveria evitar de esta perto dessa pessoa, ate evitar contato. pois quando estamos longe da ID, podemos polir ou melhora nosso interior.

    Responder
  307. Claudio se deixou leva pelo desejo (ID )que lutou com seu ego , censo de censura e condenação mas seu superego completa a faze deichando em conciente sofrimento e depressão.

    Responder
  308. A necessidade busca justificar a vontade. Processo que o próprio id, se deixa envolver , trazendo consequências para a sua vida, atos de suas escolhas e ações.

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

208 comentários sobre “Formação em Psicanálise Clínica

          1. O curso é muito bom! O material de apoio é ótimo. Me surpreendeu bastante. Estão de Parabéns ?!

          2. Estou gostando muito do curso, tenho dois cursos básicos e uma especialização em psicanalise.

          3. Bom dia,estou começando hj no curso de psicanálise, estou um pouco perdida na plataforma.

          4. A proposta do curso está acima das minhas perspectivas. Excelente o material disposto aos alunos.

          5. O curso foi maravilhoso, parabéns um curso gratuito e instrutivo, já paguei meu certificado, já vou atuar na parte de psicanálise clínica holística, vou cadastrar meu certificado , agradeço muito a IEVI.

      1. Estou gostando muito do curso. O material disponibilizado é de excelente qualidade e atualizado de forma visível. Parabéns a IEVI.

      2. Eu amei esse curso rápido e muito produtivo, tenho certeza que vai agregar muito para meu trabalho como psicanalista.

      1. O IEVI emite declaração ou histórico da conclusão da programação com aproveitamento e a carga horária da formação?

          1. Tenho licenciatura em psicologia, se fizer o curso de psicanálise com que graduação eu saio?

          2. Estou comendo, e ainda não conheço o curso, logo não posso emitir opiniões, espero poder obter muitos subsídios e dividir com os pares.

      2. Sempre tive muita vontade de fazer um bom curso de psicanálise, talvez esse seja um bom momento.

    1. Olá
      Gostaria de saber o valor do certificado e da credencial, por gentileza.
      Grata

      Maria Emília Barros

      1. A psicanálise é uma profissão livre, reconhecida pelo Ministério do Trabalho e Emprego (CBO – código 2515.50).

    2. Olá Boa Noite, gostaria de saber o valor do certificado da formação em Psicanálise clínica.

      Grata

    3. Curso muito bom adorei, bora continuar o aprendizado ! Gratidão
      Finalizado

    4. Confesso que havia feito outro curso de psicanálise, contudo, senti ao término, uma sensação de pouquissímo conhecimento, até ao revisitar o material proposto para o estudo. Com o estudo realizado no IEVI, sinto-me desafiado a continuar estudando, contudo, com uma ótima visão, pelo material apresentado, que constitui-se muito rico, pela condução e distribuição de material e enfim, disposto a poder auxiliar aqueles que necessitam. Tenho muito a agradecer a este Curso de formação em Psicanálise e recomendar a que outros possam fazê-lo. Parabéns a todos e especialmente ao(s)mentor(es) que me acompanhou até esta conclusão!

  1. Com essa formação vou poder atender como profissional em Psicanálise clínica?

    1. É aconselhável concluir o curso de Formação em Psicanálise Clínica com no mínimo 70% de aproveitamento e Realizar o Curso de Psicanálise Integrativa.

      1. Isso quer dizer sim? Sim, pode atuar como pessoa habilitada, psicanalista clínica, fazendo esses dois cursos com o aproveitamento mínimo ou maior que 70%?

        1. Bom dia!
          Caso o aluno não possua experiência em atendimento, nós sugerimos o mesmo a realizar os módulos práticos de análise didática e supervisão.

        2. Mas e o tripé psicanalítico de análise pessoal e supervisão psicanalitica? Como vou completar esse tripé exigido para atuar como psicanalista? Vocês poderiam escrever aqui no site como cumprir esses requisitos? Se particular ou se vcs irão oferecer?

          1. Bom dia!
            Os alunos serão avisados por e-mail quando os módulos de analise e supervisão estiverem disponíveis na plataforma.

        1. Gostaria de saber se a parte prática já foi incluída.
          Tenho interesse em fazer, mas me preocupo de ser cobrada por não ter parte prática do tripé.

  2. Bom dia
    Para as pessoas com graduação na área da Educação.
    Com esse certificado poderão montar uma clínica de Psicanálise.

  3. Bom dia,acabei me inscrever no curso de Psicanálise Clinica,já fiz o curso de Bacharel Livre em Teologia com vcs, tenho formação como Psicanalista Forense, Psicopatologia entre outras áreas , só me faltava o curso de Psicanálise Clinica,posso fazer o curso na Área Clínica ,grato.

  4. Boa tarde, estou gostando muito de ser uma aluna no curso de Formação em Psicanálise Clínica.

        1. Boa tarde,ao término do curso de psicanálise clínica posso fazer atendimento sim ou não.

      1. Em relação ao processo de análise e supervisão, para compor o tripé. O curso proporciona essa possibilidade?
        Gratidão pela oportunidade

          1. Gente preciso de mais informações pois não há comentários em lugar nenhum sobre a plataforma.

  5. boa noite. com o diploma de psicanálise clinico posso exercer a profissão no piauí?

    1. Bom dia!
      Pode sim. Para ser um psicanalista, não é necessário ter formação em psicologia ou medicina. O importante é que o psicanalista tenha uma formação sólida e constante, o que implica em muito estudo e aprofundamento da teoria e prática psicanalítica.

      1. É só se inscrever no site , entra no site, escolhe o curso, terá um ícone de inscrição, faça a inscrição colocando seus dados, vai precisar de uma senha, anota p não esquecer ou deixa salvo aí bom curso.

  6. já enviei meus dados e foto para credencial vcs precisam algum documento tbm para diploma psicanalista,fico aguardo da documentação.

  7. Bom dia,recebi toda documentação,muito obrigado,vou aguardar o curso de Psicanálise integrativa,um ótimo sábado para todos vcs.

  8. Boa tarde!!
    Venho através deste agradecer a oportunidade que vcs vem nos dando oportunidade para nós sejamos profissionais no ramo da psicanálise clínica,em breve estarei pedindo o certificado e a credencial.

  9. Preciso de outro curso para fazer psicanálise com vocês, para legalmente atender pessoas?

    1. Bom dia!
      Sim. É necessário realizar o curso de Psicanálise Integrativa (estará disponível na plataforma para os concluintes em breve).

  10. A escola fornece a análise e o estágio; contemplando o tripé psicanalítico e caso; alguém já possua a formação e queira; apenas a certificação palpável.. como se daria este caminho?
    Muito obrigado…
    Deus os abençoe!

    1. Todos os cursos dispostos por ser on line já estão disponíveis lembrando que para fazer psicanálise interativa precisar ter concluído a psicanálise clínica e o processo de matrícula é o mesmo, espero ter ajudado.

      1. Gostaria de saber por que eu tou matriculada no curso de psicanálise clínica eu completei o questionário ele diz que falhou na nota. Atenciosamente Marilândia Veloso Lima boa tarde!!

  11. Bom dia, A credencial, para quem fizer psicanalise clinica e integrativa é uma única credencial?

  12. boa noite minha neta pegou e fez a prova ,pois tive sai as presa e ficou quieta fui abri e reprovou
    acabou o tempo e o que faco agora

  13. Me interessei pelo curso, como e onde efetuar o pagamento?
    Poderei atender depois que concluir o curso?

    1. Bom dia!
      Após realizar os cursos de formação em psicanálise clínica, psicanálise integrativa e passar pelos módulos de analise didática e supervisão, sim.

    1. Entre o ego d o id é que o ego acata l princípio da realidade diferenciando do que é da mente e o que é do mundo externo.

    1. Se eu atingir o limite da quantidade de tentativas e não aprovar em dos questionários, devo continuar? Ou não terei condições de concluir o curso?

  14. Estou feliz em ter concluído o Curso de Psicanálise Clínica Pelo Instituto IEVI Agradeço a todos que fazem o referido Instituto. Por terem repassado todos os conteúdos gratuitos. Outrossim parabenizo a todos que fazem o IEVI pela alta
    responsabilidade com os alunos.
    ATT: José Augusto dos Santos

  15. GOSTEI MUITO DO CURSO E JÁ TERMINEI AGORA QUERO SABER COMO FAÇO PARA PAGAR ESTE CURSO, SE POSSO PAGAR PARCELADO NO BOLETO OU NÃO.

  16. Bom dia.
    Sou bacharel em Direito e me matriculei nos cursos de Psicanálise Clinica e Integrativa.
    Gostaria de receber um norte preciso em relação a como atuar como Psicanalista.
    Obrigado pela atenção.

    1. Bom dia!

      É necessário realizar os módulos práticos de analise didática e supervisão (estágio), para os alunos que não possuem experiência.

      Att,
      IEVI

  17. Eu lido com pessoas na minha ,e são tantos problemas é uma infinidade de diversidade e eu tento solucionar com o dom que Deus me deu ,mais achei que deveria ir além então pedi a Deus direção ,é eu creio que pode ser aqui ,então estou aqui buscando capacidades

  18. Qual é o prazo mínino para conclusão dos tres cursos que compõem o tripé para atuar como Psicanalista Clinico? E se o aluno concluir antes do tempo previsto na carga horária o que acontece no caso da solicitação do pedido do diploma e da credencial?

  19. Tenho interesse em fazer o curso de psicanálise clínica. Essa oportunidade é maravilhosa. Enfim vou fazer o curso.

    1. Não há Conselho de Psicanálise no Brasil. Você como Psicanalista, não tem obrigação de se filiar a qualquer órgão público. O Psicanalista não é subordinado a qualquer órgão de fiscalização profissional.
      Conselhos são criados por leis federais. Se não houver lei criando-os eles não podem existir, pelo menos não terão poder fiscalizador.

      1. Bom dia! Estou muito feliz por ter essa oportunidade, sempre sonhei em ser uma terapeuta. Muito obrigada!!

      1. Boa tarde
        Meu curso de formação é Bacharel em Serviço Social, especialização em Serviço Social e políticas públicas; gostaria de saber se no término desse curso de psicanálise Clínica eu já posso montar minha clínica?

  20. Estou em andamento com o curso, desde já tenho obtido um conhecimento excelente, cada dia mais me interesso pela temática. Recomendo! Curso para vida! Parabéns aos envolvidos.

  21. Deixo aqui meus agradecimentos atodar equip de professores colabradores pesquisadores em fim toda logistica, para poder presta um exelemte trabalho atodos que queram desevolver suas atividades como um profisional na area da psicanalise O Brasil esta precisando de eselentes profisionas nesta area da saude;pastor jose de sousa

  22. Trabalho com crianças, em oficina de artes. O objetivo das minhas oficinas é o desenvolvimento da crianças em vários aspectos. Procuro fazer um trabalho de excelência, buscando sempre conhecimentos e experiências que possam me auxiliar nessa área. Trabalho com jovens e crianças a 20 anos. Gostaria muito de entender a expressão das crianças através da arte, isso significa muito pra mim, pois me ajudará a atendê-lo da melhor forma. Sou formada em Artes Plásticas e pós graduada em Arte Educação. Agora gostaria de saber se posso atuar também como Psicanalista em meu trabalho (particular) e de que forma posso usar esse conhecimento.

  23. Excelente curso oferecido pela IEVI. Concluir o curso formação em Psicanálise, e já obtive o certificado. Sigo fazendo outros. Estou satisfeito!!!